Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

“Cuspiram em mim”, por Rodger Richer, diretor de Combate ao Racismo da UNE

Rodger

As camisas que geraram desconforto nos manifestantes do dia 13 de maço. Na foto: Rodger Richer, Bruna Rocha, Cristian Ribas e Tamara Terso

No dia 13 de março lá estou eu caminhando pela Esplanada dos Ministérios (Brasília – DF) no final da manhã e vejo manifestantes do ato anti-Dilma hostilizarem a mim e a colegas meus no meio do ato apenas pelo fato de aparentarmos “ser petistas”: das seis pessoas que estavam comigo, quatro eram negras, das quais duas estavam com camisas estampadas “A CASA GRANDE SURTA QUANDO A FAVELA APRENDE A LER”, uma com a estampa de Exu e eu estava com uma camisa estampada com a imagem dos panteras negras. Todos nós somos militantes do Coletivo Enegrecer e do Movimento Negro Unificado, sendo que eu e Bruna Rocha Diretores da UNE.

Eles não sabiam se éramos petistas, mas o simples fato de sermos negros e estarmos com essas camisas, nossa presença incomodou e os conservadores reagiram agressivamente contra nós. Eu passei a filmar a ação de um manifestante que agia violentamente e ele reagiu literalmente cuspindo em mim! Nunca me senti tão humilhado!


Após ter sido cuspido e tentarem agredir a mim e a meus amigos, fomos perseguidos por cerca de 500 pessoas que estavam no ato golpista até a rodoviária, onde fomos escoltados pela polícia. Nos agrediram fisicamente – jogando garrafas de água, cuspindo, etc. – e verbalmente – nos chamando de ladrões, “petralhas”, maconheiros, vagabundas, viados, macumbeiros, etc.

O que está nessas marchas golpistas é um verdadeiro ódio de classe e raça, anti-petismo, ódio aos partidos e à própria política. Essa elite não aguenta mais ver negros e negras nos aeroportos, nas Universidades e ascendendo socialmente. Nós não queremos um Brasil de antigamente, que era pra poucos. Queremos um Brasil para todas as pessoas, negros e negras, mulheres, LGBTS, trabalhadores e trabalhadoras. Por isso, reafirmamos que a nossa luta é por mais amor, mais igualdade e mais democracia!

O perfil dos manifestantes do dia 13 é bem marcado: maioria de pessoas brancas e das classes médias e altas. Tal composição social dos atos me faz perguntar: esse é um golpe contra quem? Não se trata de um golpe contra o PT, a Dilma e ao Governo Federal, mas sobretudo um golpe contra as políticas sociais implementadas no último período que contribuíram decisivamente para inaugurar novos ciclos de transformações democráticas. A elite brasileira sente seus privilégios ameaçados e vai para às ruas com todo seu ódio golpista tentar barrar esse ciclo de mudanças.

Esse é um golpe contra nós – negros e negras, indígenas, quilombolas, classe trabalhadora – e temos que reagir à altura para não apenas barrar retrocessos, mas lutar por mais avanços e democracia. Nós que somos filhos e filhas das políticas sociais implementadas no último período – REUNI, cotas, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, PROUNI, entre outros – temos que ir às ruas defender o projeto que transformou nossas vidas e nosso país e reafirmar o nosso compromisso com a ampliação da democracia.

O cuspe que me deram no dia 13 de março é a vontade que a elite brasileira sente de humilhar as maiorias pobres desse país todos os dias. Querem cuspir em nossos rostos, em nossa auto estima e dignidade.  Nos olham como se fôssemos inferiores. Querem manter seus privilégios em detrimento da nossa exploração. Querem um país sem cotas, sem políticas sociais e sem distribuição de renda – ”querem seu país de volta” . Querem que a classe trabalhadora ande de cabeça baixa e não acessem os espaços tidos como exclusivos para eles. Resistimos e dizemos NÃO!

Vamos às ruas #SemMedoDeSerFeliz contra o ódio, com amor, lutando pela defesa e ampliação da democracia. Vamos todos e todas nos somar nos próximos atos que visam não apenas barra o golpe, mas lutar por mais avanços e transformações democráticas.

UMA CUSPE NÃO NOS INTIMIDARÁ!

RACISTAS, FASCISTAS, NÃO PASSARÃO!

* Rodger Richer, 23 anos, estudante do curso de Ciências Sociais (UFBA), Diretor de Combate ao Racismo da União Nacional dos Estudantes e membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR)

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo