Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Yann Evanovick – candidato a vice-prefeito pelo PCdoB em Manaus (AM)

13/09/2016 às 17:20, por Renata Bars.

Yann Evanovick começou a sua militância no movimento estudantil em passeatas contra o aumento do preço das passagens e pela qualidade do transporte público em seu Estado. Logo se tornou uma referência e chegou à presidente da União Municipal de Estudantes Secundaristas (UMES-Manaus), tendo realizado grandes mobilizações nas ruas de sua cidade natal.

Em 2009, com apenas 19 anos, Yann foi eleito para estar a frente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), que é considerada uma das mais importantes e combativas entidades do movimento social.

À frente da UBES, Yann encabeçou campanhas nacionais do movimento estudantil que tiveram importante repercussão na sociedade, como a defesa dos 10% do PIB e 50% do fundo social do Pré-sal para educação. Sua gestão comemorou conquistas históricas, como a aprovação da PEC e do Estatuto da Juventude, criando marcos legais de políticas públicas para os jovens dentro do estado brasileiro. Foi nessa gestão que o termo juventude passou a fazer parte da nossa constituição.

Por que você é candidato?

Eu sou candidato porque eu acredito que é preciso que a juventude participe mais da política. Eu sou do PCdoB, o meu partido tomou uma decisão de construir uma coligação e na tomada dessa decisão de indicar o vice e optou por indicar um jovem. O PCdoB é um dos partidos que mais investe em juventude no país e não à toa dirige as principais organizações de juventude. Então isso me levou a aceitar a tarefa de ser candidato a vice- prefeitura de Manaus, mas também porque eu acredito que a nossa cidade precisa de pessoas compromissadas com o povo e não à toa esse é o nome da nossa coligação.

Qual a sua proposta para a juventude?

Na construção do nosso plano de governo nós buscamos ouvir vários seguimentos da sociedade, dentre eles, a juventude e nós afunilamos, construímos algumas propostas do fortalecimento do conselho municipal de juventude, esse é um compromisso nosso. Segundo compromisso nosso o passe livre para estudantes de baixa renda. É muito importante garantir o acesso à escola e muitos estudantes abandonam a sala de aula por não ter condições de pagar pelo transporte coletivo e eu sei o quanto isso é difícil, estudar sem ter condições de pagar a passagem de ônibus e por isso nós estamos propondo passe livre para os estudantes de baixa renda assim como o vale cultura para todo os estudantes também de baixa renda. Um vale de quarenta reais para que os estudantes possam ir ao cinema, ao teatro, comprar revistas, livros, jornais.

Qual a sua proposta para a educação?

O nosso desafio na educação e a nossa atribuição é a educação infantil e a educação fundamental. É aqui que nós vamos atuar, sem abrir mão daquilo que já apresenta conquista para a cidade de Manaus como é o caso do bolsa universidade que mesmo não sendo uma atribuição do município é uma política de acesso à universidade viabilizada a partir da prefeitura de Manaus, assim como o Bolsa Idiomas vamos ver como manter essa política, sem perder o foco naquilo que é atribuição do município que é a educação infantil e o ensino fundamental. Dentro disso nós estamos propondo construir uma política voltada para as creches. O atual prefeito que é do PSBD propôs construir mais de 110 creches e não construiu 10, mesmo tendo aporte do governo federal para construir bem mais.E nós vamos criar uma politica para as creches, uma política que perpassa por estruturas para essas creches, porque nós temos hoje prédios alugados em que funcionam escolas municipais, que foram projetados para ser motéis, não para ser escolas e então nós vamos construir estruturas que correspondam às creches para dar devida atenção às crianças, corpo docente preparado, um corpo técnico preparado, para a perspectiva de creche e também vamos colocar nutricionistas porque nós não vamos tolerar mais essa história de servir como merenda escolar bolacha de motor como a gente chama aqui e água com corante (kisuco). Então nós vamos colocar nutricionistas dentro das escolas, assim como nós vamos convocar concursos para novos professores, e vamos construir sim novas escolas municipais porque a demanda ainda é grande. Da mesma forma vamos rever o plano de carreiras e salário dos professores para fazer os devidos ajustes e reajustes no caso das perspectiva salarial dos professores, mas também na perspectiva da educação de Manaus. A nossa ideia é encontrar no curso da gestão um caminho em que a comunidade nos ajude a definir quem deve ser, quem deve dirigir a escola. Portanto, será um processo mais democrático de escolha do diretor de cada escola da rede municipal.

A favor ou contra a ”Escola Sem Partido?”

Eu sou a favor da escola que tenha debate politico, debate de cidadania, debate de participação, mobilização, organização popular. A escola ela é acima de tudo um espaço de formação do cidadão e da cidadã, portanto é preciso que nós tenhamos uma escola aberta. Qualquer um que defenda uma escola sem um debate político não compreende o papel que a escola deve exercer para a formação do caráter do cidadão que vai conduzir a sociedade. Eu que serei professor de história, eu fico me perguntando como dar uma aula de história, de filosofia, de sociologia, sem abordar temas políticos. Os políticos que defendem projetos como esse demonstram a sua ignorância, porque acabam confundindo política unicamente com política partidária. Os partidos podem estar presentes nas escolas, porque eu posso estar na universidade e ser filiado. Qualquer coisa contrária a isso é fascismo. Agora, é sempre bom ressaltar: a democracia ela é boa porque ela respeita e assegura o direito do contraditório. Eu sou a favor da escola cidadã.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo