Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Teatro do Osso e Cuca da UNE vão levar teatro e oficinas para periferia de SP

15/12/2016 às 15:40, por Cristiane Tada.


Temporada 2017 de Canto para Rinoceronte e Homens marca reencontro do ator e diretor Rogério Tarifa com a UNE em projeto inspirado no CPC

Em uma pequena cidade rinocerontes vão aparecendo e as pessoas vão se dando conta que são homens que foram transformados em animais numa espécie de epidemia que vai tomando a população. Esse é o enredo do musical “Canto Para Rinocerontes e Homens”, do grupo Teatro do Osso, formado por ex-alunos da Escola de Arte Dramática (EAD-USP).

O teatro engajado e o texto político foi escolha dos estudantes para o projeto final do curso. “ Vivemos em uma época de polarização e temos sidos convocados a nos manifestar”, afirma Renan Ferreira, integrante do grupo.

A dramaturgia é uma releitura do clássico “O Rinoceronte”, do autor romeno Eugène Ionesco (1909-1994) que metaforiza a ascensão do totalitarismo, transposta para uma realidade brasileira. O Teatro do Absurdo é caracterizado por diálogos desconexos, onde o cômico e surreal se juntam em inesgotáveis interpretações. Na versão do grupo da USP cada metamorfose propõe uma reflexão sobre vícios de uma grande metrópole como São Paulo, ódio, a violência, o trabalho e o culto à beleza.

Espetáculo Canto para Rinoceronte e Homens, peça do Teatro do Osso

A peça montada em 2015 após 10 meses de ensaio traz 7 atores em cena, 2 músicos e o diretor Rogério Tarifa, também ex- aluno da EAD-USP. “Voltar para a Escola para dirigir é uma privilégio”, afirmou.

Sucesso de público desde sua estreia a realização da temporada 2017 terá a parceria do Circuito Universitário de Cultura e Arte, o Cuca da UNE por meio do edital Prêmio Zé Renato, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Foi do diretor a ideia da parceria que segundo ele foi “totalmente inspirada no Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE”. Na década de 60 tudo que de mais pulsante culturalmente produzido no Brasil passava pelo CPC impulsionado pelos jovens estudantes.

Tarifa é integrante da Cia São Jorge, grupo fundado em 1998, que tem uma história com a UNE, já se apresentou em várias Bienais e até na Venezuela em espetáculos produzidos com a entidade. “Será um encontro de gerações. O Cuca está muito feliz com esse reencontro”, destaca a estudante Camila Ribeiro, coordenadora do Cuca.

A temporada de “Canto Para Rinocerontes e Homens” que deve começar a partir de Março será apresentada na periferia de São Paulo, Zona Norte, Oeste, Leste e Sul, que além das apresentações vai oferecer junto com o Cuca discussões, oficinas e aulas de dramaturgia escolas e universidades das regiões. “Queremos encerrar com um show musical no Teatro da USP (Tusp) e a ideia é convidar atores antigos também”, destacou Tarifa.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo