Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Sâmia Bonfim – candidata a vereadora pelo Psol São Paulo (SP)

13/09/2016 às 17:09, por Renata Bars.

 

Sâmia Bomfim tem 27 anos, é trabalhadora da USP e formada em Letras pela mesma Universidade. Começou sua trajetória política no movimento estudantil, em defesa da educação pública, por cotas, contra os estupros na Universidade e por creches para as mães estudantes e trabalhadoras. Foi 3 vezes da gestão do Centro Acadêmico de Letras e do DCE, sendo muito atuante na greve geral e da ocupação da reitoria de 2013. Atualmente participa do movimento sindical da USP e do Setorial de Mulheres do PSOL, partido no qual é filiada desde 2011, e do movimento feminista Juntas!.
Durante o Conune de 2011, foi uma das centenas de jovens que fundaram o movimento Juntos! em Goiânia, que hoje está presente em todas as regiões do Brasil nas mobilizações nas ruas, escolas e universidades.
Sâmia é conhecida pela sua atuação no movimento feminista, é da geração que constrói a Primavera das Mulheres e amplia a atuação e influência do movimento feminista na sociedade. Foi uma das organizadoras das marchas pelo Fora Cunha em 2015, das mobilizações contra a Cultura do Estupro e dos escrachos contra Feliciano. Em 2015, foi processada por Alexandre Frota por ter denunciado sua declaração sobre estupro em rede nacional e neste ano debateu com Sara Winter no FlaXFlu da TV Folha, defendendo os direitos e a luta das mulheres. É candidata a vereadora pelo PSOL em São Paulo. Primeira vez candidata, suas principais pautas são os direitos das mulheres, democracia real e o direito à cidade.

1) Por que você escolheu ser candidata?

Minha candidatura é coletiva, foi uma decisão encorajada e construída por muitos companheiros e amigos, pois nesse momento de falência da política institucional é preciso que as eleições sejam ocupadas por mulheres e jovens, setores que têm sido protagonistas das principais lutas da sociedade. Estive nos enfrentamentos contra Cunha, Feliciano, Alexandre Frota e Sara Winter. Seria legal eleger uma vereadora jovem trabalhadora, feminista e que combate o machismo, a velha política e o conservadorismo, como tenho feito na minha militância.

2) Qual sua proposta para juventude?

A juventude de São Paulo precisa ter direito à cidade, a espaços de cultura e lazer gratuitos e a passe livre não somente para estudar, mas poder circular livremente pela cidade. 1 a cada 4 jovens de São Paulo estão desempregados! Precisamos de criação de empregos, investimento em formação e estágios bem remunerados. Lutamos por uma GCM não mais militariza, pela vida dos jovens negros da periferia e dos moradores de rua.

3) Qual a sua proposta para Educação?

Defendo uma educação libertadora, com escolas democráticas que dê voz a estudantes e professores, com eleições diretas para Diretores e coordenadores e espaços livres para que os Grêmios possam se organizar. Que contenha currículos com conteúdos de combate ao racismo, machismo e LGBTfobia. Precisamos fiscalizar para garantir que a lei 10.639 que garante o ensino de História e Cultura africana seja de fato aplicada nas escolas municipais. E lutar por abertura de vagas nas creches e escolas municipais de São Paulo, pois atualmente há um déficit de mais de 100 mil vagas.

4) A favor ou contra o Escola sem Partido?

Sou radicalmente contra o projeto Escola sem Partido. Entendo que ele é uma reação dos setores conservadores que estão muito preocupados com o avanço de consciência dos estudantes secundaristas depois dos processos de ocupação de escola e luta contra os desvios de merenda que aconteceram no último período. Escola sem Partido é, na verdade, um projeto de escola com censura, que visa calar a voz dos estudantes e professores que lutam em defesa da educação pública, gratuita, de qualidade, e que compreendem que a educação é um instrumento importante de formação de adultos conscientes e atuantes por uma sociedade mais justa e igualitária.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo