Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Pelo livre acesso à Casa do Povo

03/07/2015 às 16:19, por Redação. Foto: Rafael Peixoto Rodrigues.

UNE e UBES repudiam resposta de Eduardo Cunha ao habeas corpus concedido pelo STF aos estudantes

A União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) repudiamos a resposta enviada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), à ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Carmen Lúcia referente ao habeas corpus concedido a 19 estudantes da UNE e da UBES, que garantia o acesso a todas as dependências da Casa, principalmente às galerias do plenário, durante a apreciação da PEC 171/93, que pretende reduzir a maioridade penal para 16 anos.

Cunha, em mais uma demonstração do seu despotismo, ignorou completamente o salvo conduto que a UNE e a UBES conseguiram na Justiça e vetou o acesso às galerias do plenário aos estudantes com o habeas corpus tanto na terça-feira (30/06) quanto na quarta-feira (01/07).

Na terça-feira, o parlamentar autorizou apenas um número limitado de senhas para os partidos, liberando o acesso ao plenário para quem possuía uma. Ele afirmou para imprensa presente no local que a decisão da ministra do STF não obrigava a liberação total das galerias do plenário da Câmara.

Na quarta-feira, foi vetada a entrada de qualquer pessoa às galerias da Casa durante a votação da manobra golpista que aprovou a redução da maioridade penal após os deputados terem rejeitado a proposta no dia anterior. As galerias ficaram vazias durante toda a sessão. Os estudantes foram obrigados a acompanhar a votação dos corredores da Câmara.

Nos dois dias, os estudantes tiveram muitas dificuldades de acessar as dependências da Câmara, diferente do que argumenta Cunha em sua resposta enviada ao STF. Algumas pessoas chegaram a ser expulsas de dentro de gabinetes de deputados.

Muitos foram barrados de forma arbitrária pelos seguranças da Casa, algum chegando a ser agredidos com gás de pimenta pela polícia legislativa. Os membros da Polícia Legislativa alegavam estar cumprindo ordens da presidência da Câmara.

As ações de Cunha são duplamente arbitrárias. Além da Câmara ser, por excelência, a casa do povo, os estudantes através do habeas corpus podiam ingressar “livremente nos recintos públicos da Câmara dos Deputados com o resguardo das garantias constitucionais que lhe são assegurados”.

Não é de hoje que os estudantes têm sido violentamente reprimidos na Câmara dos Deputados sob ordens do presidente da casa. Principalmente nas discussões que se refere à redução da maioridade penal o parlamentar têm negado o acesso dos jovens para evitar manifestações que se oponham ao projeto. No início de junho, os estudantes foram expulsos da Casa a base de gás de pimenta e porrada por se manifestarem contrariamente à redução durante sessão da comissão especial.

Para a UNE e para a UBES, a postura do presidente da Casa visa tão somente evitar o debate de ideias acerca de tema tão relevante para a juventude, que é a redução da maioridade penal, acelerando a votação da PEC para aproveitar o pânico instaurado na sociedade após a intensa divulgação de casos de violência envolvendo menores no Brasil.

Para os estudantes está claro que a decisão de contrariar ordem judicial foi tomada justamente para evitar a participação do movimento estudantil neste importante e triste momento da história da juventude brasileira, que passou de vítima à culpada pela falta de políticas públicas eficientes de inclusão social dos jovens em Estado de perigo.

As entidades denunciam a afronta à Constituição Federal pelo ato de Cunha em desobediência à decisão liminar concedida no habeas corpus nº 128883, o que sinaliza o seu desrespeito ao Poder Judiciário e aos cidadãos brasileiros quando se trata de fazer prevalecer os seus interesses políticos. Os estudantes pedem que sejam adotadas as providências legais cabíveis ao caso, inclusive a aplicação de multa.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo