Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

O delito de falar sobre coisas inocentes

30/11/2016 às 11:25, por Cristiane Tada com fotos de Yuri Salvador, Cuca da UNE e Mídia Ninja.

Estudantes ousaram falar de sonhos de um futuro melhor, de uma educação digna, da esperança de um parlamento que os ouça

“Que tempos são estes, em que é quase um delito falar de coisas inocentes, pois implica silenciar tantos horrores”, questionou em um poema o dramaturgo e poeta Bertold Brecht (1898-1956).

Neste dia 29 de novembro, em Brasília, foi este o delito dos estudantes brasileiros: falar de coisas inocentes. Estudantes de ocupações de todo o Brasil que ousaram ocupar suas escolas e universidades para mostrar sua voz, vieram para a capital federal em nome dos seus sonhos.

Sonhos de um futuro melhor, de uma educação digna, da esperança de um parlamento que os ouça.

O objetivo maior uniu diferentes forças do movimento estudantil em um cordão à frente da marcha, todas as siglas e coloridos das camisas marchavam num passo só. Uniu também professores e técnico-administrativos que vieram em caravanas apoiar a manifestação. E não silenciaram horrores, denunciaram os retrocessos da PEC55 e uma MP da reforma do Ensino Médio ineficaz que querem enfiar guela abaixo da comunidade escolar.

Brasilia_cordao

A festa pacífica de bandeiras, gritos de ordem e baterias acompanhou o cortejo por toda a Esplanada dos Ministérios. No espelho d’água o tradicional mergulho, a celebração da chegada, a irreverência da juventude. O intuito dos estudantes era acompanhar dali a votação no Senado Federal sobre a mudança na Constituição que pode acabar com as possibilidades de futuro de todos os jovens brasileiros ao congelar por 20 anos investimentos na educação.

Brasilia_espelho

Mas não foi isso que decidiu a polícia sob o comando do governador Rollemberg. Como se manifestar-se fosse crime, os estudantes foram tratados como criminosos. Uma chuva de bombas, spray de pimenta e balas de borracha transformou o cartão postal da capital em um espetáculo de barbárie. Dezenas foram feridos e os apelos por paz da presidenta da UNE, Carina Vitral, do caminhão de som não foram ouvidos. O gás lacrimogêneo tomou conta e ensinou uma terrível lição aos milhares de meninos e meninas que lutam para ser protagonistas de suas vidas: a PM é inimiga dos estudantes.

Brasilia-contraPEc

Dispersos sob violência, perdidos, feridos e assustados, muitos só queriam voltar para casa. Até isso a polícia impossibilitou. A chuva de bombas não cessou até a noite, tornando impossível retornar as centenas de ônibus estacionados nos arredores da Esplanada.

Dentro do Senado Federal nenhum dos seus gritos foram ouvidos. Indiferentes a mobilização de 50 mil pessoas a sua porta, os senadores aprovaram em primeiro turno por 61 votos favoráveis e 14 contrários. Assim selaram o destino de milhões que virão depois de nós.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo