Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Lado C vai mostrar uma Fortaleza para além dos roteiros turísticos

27/01/2017 às 15:18, por Renata Bars.

Ônibus sairão na segunda (30) e terça (31), a partir das 9h do Dragão; participantes da 10ª Bienal da UNE já podem se inscrever

Serão 10 Circuitos Culturais por diferentes lugares de Fortaleza e região metropolitana, do centro à periferia, do urbano ao rural, de comunidades indígenas a coletivos de hip-hop. O #LadoC da Bienal da UNE vai promover a circulação e o diálogo dos estudantes brasileiros com a diversidade das expressões culturais de Fortaleza e do Ceará.

A programação de cada circuito do Lado C foi desenvolvida com a participação de articuladores locais, vinculados a projetos sociais e culturais, envolvendo manifestações comunitárias, Mestres e Mestras da cultura popular, coletivos de arte, Pontos de Cultura, Bancos Comunitários, etc.

“Nesta edição, no espírito da ‘Feira da Reinvenção’ a ideia é mostrar uma Fortaleza que existe, vive e respira cultura e cidadania, para além dos tradicionais roteiros turísticos. As mais belas praias e belezas naturais da capital cearense estão nas favelas e nas periferias da cidade, por exemplo. E é nessas comunidades que o povo vive, sonha, reinventa o seu cotidiano e constrói alternativas inspiradoras para o futuro”, destacou o coordenador da atividade Alexandre Santini.

Serão 5 ônibus por dia, na segunda (30/01) e terça (31/01), a partir das 09h da manhã, saindo do Dragão do Mar. A inscrição para as atividades do Lado C é gratuita e deve ser feita no formulário online   ou no momento do credenciamento.

Embarque nessa viagem!

30/01/2017 – SEGUNDA –  9h às 17h

PERCURSO 1: SERVILUZ DAS ARTES
SINOPSE: A comunidade do Serviluz é um potente bairro periférico situado na esquina de Fortaleza, de frente para o mar. Sua localizacão privilegiada fez com que seus moradores tivessem que se unir contra diversas e constantes ameaças de remoções ao longo de sua história. Os avanços sociais, políticos e culturais do bairro acontecem por ações, projetos e lutas de seus próprios moradores organizados em coletivos e associações, como também a colaboração da Universidade Federal do Ceará, o Laboratório Artes e Micropolíticas Urbanas – LAMUR, a Rede Jubra, o Coletivo Pode Cre e diversos outros. O #LadoC nos leva a conhecer como essas pessoas resistem e reinventam a vida nesse bairro de Fortaleza.

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
9h – Visita à Associação Boca do Golfinho ~ aulão de surf
12h – Almoço no Bar do Surf
14h – Cineclube e Roda de conversa na Associação dos Moradores do Titanzinho
16h – Percurso por vielas e praia das pedrinhas
17h – Pôr do Sol no Farol do Mucuripe
VAGAS: 35 pessoas
OBSERVAÇÕES: Roupas leves e trajes de banho.
Mediador: Priscilla Sousa / Bruno Ribeiro

PERCURSO 2: Expresso da Praia

SINOPSE: É uma atividade baseada na prática de visita guiada desde Poço da Draga(Praia Formosa) e seu entorno até à Praia do Mucuripe, tendo como finalidade apresentar um pouco da história e da memória deste trecho do litoral de Fortaleza, desde os anos de 1900 até os dias atuais. O percurso Expresso da Praia faz uma viagem no tempo pela orla, apresentando os variados processos de formação deste espaço, sua formação e transformações . O embarque espera por vocês!

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
09h – Visita pelo entorno do Centro Dragão Mar de Arte e Cultura
10h – Comunidade do poço da draga até o Pavilhão Atlântico(próximo à Ponte Metálica – Ponte Velha)
11h – Parada para almoço (Café Avião)
13h – Praia do Lido(Praia de Iracema)
14h – Parada no Náutico
16h – Mucuripe
VAGAS: 40 pessoas
OBSERVAÇÕES: Roupas leves e trajes de banho.
MEDIADOR: Sérgio Rocha e Djeyne Rudolf

PERCURSO 3: Para Desvendar Fortaleza – Projeto Percursos Urbanos
SINOPSE: Há 14 anos, o projeto Percursos Urbanos – uma parceira Centro Cultural Banco do Nordeste e a ONG Mediação de Saberes – realiza aos sábados passeios investigativos pela história e pela cultura de Fortaleza. Neste dia 31 de janeiro o idealizador do projeto fará a reedição de alguns dos 900 roteiros já vivenciados. Pela manhã apresentará a influência da revolução industrial e do uso mundial do algodão na história da cidade. Após, o almoço no Mercado São Sebastião o grupo será convidado a passear pela história dos cinemas de rua na cidade de Fortaleza, conversando com o sobre antigos cinemas e contemplando o esplendor do cinema São Luis. Para fechar o dia, voltando para a Praia de Iracema, conheceremos o ateliê e processos criativos do artista Rian Fontenele. Nas ruas e interiores de Fortaleza, reflexos históricos de movimentos globais da economia e da cultura.
ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
9h Praia de Iracema: Caixa cultural, Casa Boris,
9h30 Passeio Público e Cadeia Pública
11h30 Leste-Oeste até IML
12h30 Mercado São Sebastião
14h Cine São Luís e a Praça do Ferreira (nossa Cinelândia)
16h Ateliê de Rian Fontenele
VAGAS: 40 pessoas
MEDIADOR: Júlio Lira / Ihvna Chacon

 

PERCURSO 4: Antigo Povoado de Moita Redonda-Cascavel-Ceará e Museu Vivo de Barro

SINOPSE: Visita ao antigo povoado de Moita Redonda-Cascavel-Ceará, um verdadeiro Museu Vivo da ancestral arte de fazer utensílios de barro. Uma viagem pelo conhecimento ancestral da arte ceramista de Moita Redonda, que traz a memória viva da arte indígena e mestiça, mantida e reinventada pelos descendentes dos primeiros moradores da Margem do Rio Choró, como as nações nativas dos Paiacus, Anacéis, entre outras. Hoje o Museu Vivo de Barro é um Ponto de Memória e a comunidade de Moita Redonda abriga projetos como o Grupo Uirapuru e a Orquestra de Tambores de Barro.

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
10h30: Mataquirí Museu – sede do Grupo Uirapuru – A Orquestra do Barro
13 h Almoço
14h30 – Visita ao Museu Vivo do Barro – Caminhada ao céu aberto – A palavra dos Mestres e Mestras do barro.
VAGAS: 40 vagas
OBSERVAÇÕES: trajes leves
MEDIADOR: Zé da Paz

PERCURSO 5: Fortaleza Marginal 

SINOPSE: Para além dos polos centrais da cidade há um mundo de intervenções socioculturais que se dão a margem do centro. São micro agentes que desenvolvem suas ações corroendo e desconstruindo consensos. São Mestres da cultura popular com seus cocos, maracatus e reisados, são organizações marginais e marginalizadas que resistem historicamente, misturando o universal ao regional, com toda a especificidade do seu hip hop cangaceiro. É a cidade resistência! É o contraponto, a contradição, a contracultura, o underground, o lumpesinato. O passeio começa com uma visita ao Boi do Ceará com o Mestre Zé Pio passando pela oficina Viver Maracatú do Baticum Provocações em plena Barra do Ceará onde também se dará o almoço em uma barraca de praia. Depois partiremos para a Tapebas Posse da Força Hip Hop onde teremos apresentação de B`Boys e no final da jornada a Escolinha de Bicicross do Planalto Pici tudo isso acompanhado pelo coletivo de fotografia Zona Imaginária.
ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
10h Visita ao Boi do Ceará na Barra do Ceará (Mestre Zé Pio)
11h Viver Maracatu (oficina) com Baticum Provocações (Barrado Ceará)
12h Almoço Barra do Ceará (Barraca de Praia)
15h Break Dance na Tapebas Posse Força Hip Hop (Quintino Cunha)
16h Escolinha de Bicicross (Planalto Pici)
VAGAS: 35 pessoas
MEDIADOR: Crystiano Magalhães e Bruna Kessia

31/01/2017  – TERÇA –  9h às 17h

PERCURSO 1: Barra do Ceará / Águas, afeto e resistência.

SINOPSE: Guiados pelos Coletivos Aqui Tem Sinal de Vida e Natora, que trabalham com arte e cultura nos bairros da Barra do Ceará e do Pirambu, sairemos do Polo Turístico da Barra do Ceará, bairro mais antigo de Fortaleza, à bordo do barco Albertu’s. No percurso, é possível deparar-se com um dos espetáculos mais bonitos da natureza: o encontro do rio com o mar e com o mangue. O passeio percorre cerca de seis quilômetros do rio, indo até a comunidade dos índios Tapeba, na região de Caucaia. A programação continua após o almoço com a visita às Escolinhas de Surf da Vila do Mar, e ao Projeto Quatro Varas, espaço que trabalha a terapia comunitária e saúde mental no Bairro Pirambu. Em seguida visita ao Centro Urbano de Cultura e Arte (CUCA), equipamento cultural da juventude de Fortaleza, e finaliza com o por do sol no Rio Ceará, um dos mais belos de Fortaleza.

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
9h Passeio de Barco
12h almoço
14h Quatro Varas
16h CUCA da Barra
17h Pôr do Sol
VAGAS: 25 pessoas
OBSERVAÇÕES: Roupas Leves e Trajes de banho
MEDIADOR: Alécio Fernandes (D’Leste)

 

PERCURSO 2: Mondubim dos bons ares, narrativas e aventuras estéticas.
SINOPSE:
Se achegue numa viagem pelas artes plásticas, audiovisual e equipamento cultural em um dos bairros mais antigos da capital cearense, o Mondubim: que nasceu dos bons ares que possuía, que acomodam a própria alma – como dizem seus antigos moradores. A aventura começa no Minimuseu Firmeza, um espaço cultural, artístico e ecológico, fundado em 1969 pelos artistas plásticos Nice e Nilo Firmeza (Estrigas), considerado um dos principais e mais importantes acervos de artes plásticas do Ceará composto por mais de 500 obras. Nesta visita você conhecerá um pouco da história da arte no Ceará, com seus movimentos, estilos, especificidades e influências, quebras de paradigmas, novas linguagens e novos suportes da arte moderna. É nesse local que será realizado o almoço, em meio ao verde das árvores e o colorido das flores do jardim. De lá, seguiremos rumo ao CUCA Mondubim Onde será apresentado aos visitantes o equipamento cultural. Dando sequência as atividades, a última parada do dia é na Fábrica de Imagens, projeto que promove ações em prol da equidade de gênero, afirmação da diversidade sexual e fortalecimento das juventudes através do audiovisual, cultura e comunicação. Lá assistiremos os curtas produzidos pela ONG, seguido por um bate papo sobre as ações da mesma no combate ao machismo e à homofobia.
ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
10h – Chegada no Minimuseu Firmeza
10h – Visita guiada + oficina “qual é a sua arte?”
12h – Almoço: Minimuseu Firmeza
13h15 – CUCA Mondubim – Visita guiada
15h – Fábrica de Imagens – Projeções de curtas + Debate
VAGAS: 30 pessoas
MEDIADOR: Thais Andrade e Elidia Vidal

PERCURSO 3: Visita à República Colaborativa do Conjunto Palmeiras
SINOPSE: Percurso promovido pelo Banco Palmas, o mais importante banco comunitário brasileiro, considerado uma referência mundial, fundado em 1998 no Conjunto Palmeiras, bairro de 32.000 habitantes localizado na periferia de Fortaleza. A missão do Banco é implementar projetos de trabalho e geração de renda através de sistemas de economia solidária, primariamente focada na superação da pobreza urbana e rural. Neste percurso será utilizada a moeda social, serão apresentados os principais projetos desenvolvidos na comunidade e as tecnologias sociais ali desenvolvidas. O. Conjunto Palmeiras é um bairro conhecido pelos seus mais de 40 anos de lutas e conquistas sociais através da mobilização do poder local, passando por projetos de música, dança, gastronomia, e ações de empoderamento de jovens e mulheres. Você gostaria de ver como uma comunidade se apropria e cria ferramentas de tecnologia, economia, cultura e política para enfrentar os desafios do século XXI? Chega no Conjunto Palmeiras! O percurso inclui ainda uma visita ao Centro Urbano de Cultura e Arte – Cuca Jangurussu, conhecendo os coletivos e projetos culturais desenvolvidos na instituição.

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
9h30 – Cuca Jangurussu
10h45 – Apresentação Palmerê
11 h – Banco Palmas
12h – Asmoconp (Associação de Moradores do Conjunto Palmeiras)
12h30 – 14:00h Almoço na Associação Emancipadas /
14h15 – Centro Social Urbano, Apresentação do movimento República Colaborativa do Conjunto Palmeiras
15h15 – Apresentação Companhia de Dança Cordapés
16 h – Apresentação Companhia Bate Palmas
VAGAS: 40 pessoas
MEDIADOR: Asier Ansorena e Angeline Freire

PERCURSO 4: Território da Paz | Grande Bom Jardim
SINOPSE: Observar as experiências de resistências sociais e culturais de um aglomerado/centro urbano/humano de 220 mil habitantes. O Grande Bom Jardim é sinônimo e território de lutas e organização das classes populares, de construção da cidade de Fortaleza, de resistência a sua lógica de segregação. Se inventa dia a dia um território onde a cultura resiste e lhe significa, e a natureza luta por morada. Bom Jardim é um bairro de luta e vitórias, uma terra habitada por histórias e boas lembranças, abraçada pela arte e bom senso de quem faz o movimento acontecer na zona Leste da cidade.

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
10h Visita na Sede do Grupo NÓIS DE TEATRO
11h – Apresentação do Grupo de Rap SEM SAÍDA | CENTRO CULTURAL BOM JARDIM
12h- Almoço | Pizzaria Estrela
14h- Circo Escola
15h30- Projeto Sim a Vida | Marrocos /
16h30- Por do Sol | Lagoa da Viúva
VAGAS: 40 vagas
OBSERVAÇÕES: trajes leves e de banho
MEDIADOR: Wilbert Santos e Jackeline Marques

 

PERCURSO 5: Messejana da Preservação, da Literatura ao Mangue

SINOPSE: Iremos conhecer e vivenciar o bairro de Messejana, um dos primeiros bairros de Fortaleza, onde podemos encontrar um misto entre o antigo e o atual, nosso percurso em Messejana nos proporcionar momentos de conhecimento e aprendizagem, sobre literatura e preservação ao meio ambiente. Foi em messejana que nasceu o grande escritor cearense José de Alencar. Visitaremos a casa onde o escritor nasceu e viveu boa parte de sua infância. Também visitaremos o Museu Arthur Ramos, A Pinacoteca Floriano Teixeira, a Biblioteca Braga Montenegro e a Coleção Luiza Ramos, tudo isso em em um espaço cercado pela natureza. Depois conhecermos um pouco sobre Messejana e sua ligação com a literatura, iremos visitar o Museu do Mangue na Sabiaguaba, uma área de proteção ambiental, que tem como missão documentar e criar mecanismos que preservem esse ecossistema, todo o acervo do mangue faz parte de um iniciativa particular que visa educar e conscientizar seus visitantes. Conheceremos o acervo do museu e faremos um passeio por várias estações do mangue, depois seguiremos até o rio Sabiaguaba onde finalizamos nosso percurso com um banho ao por do sol de Messejana!

ROTEIRO DE PROGRAMAÇÃO:
9h30 Visita a Estátua de Iracema na Lagoa de messejana
10h30 Visita a Casa José de Alencar
12h às 14:00 parada para almoço
14h30 às 17:00 Visita ao Museu do Mangue da Sabiaguaba
VAGAS: 40 pessoas
MEDIADOR: Thais Xavier

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo