Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Frente Povo Sem Medo convoca primeiro ato para 8 de novembro

23/10/2015 às 17:15, por Da Redação/Foto: Roberto Parizotti.

Fim do ajuste fiscal e uma saída popular para a crise serão os focos da manifestação

A primeira reunião da “Frente Povo Sem Medo”, realizada na última quinta-feira (22), na sede nacional da CUT,  resultou no anúncio do primeiro ato nacional dia 8 de novembro, a partir das 14h, em frente ao Masp, em São Paulo. Durante o encontro, representantes das entidades que compõem o fórum apontaram a mudança da política econômica como um dos focos da manifestação.

Os pedidos de afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, a luta por mais direitos com aprofundamento da democracia e uma saída popular para a crise no país também serão pautas do protesto.

“Esta reunião é importante e saímos otimistas daqui. O povo brasileiro não pagará por essa crise e nem aceitará a pauta imposta pelo governo. Iremos às ruas contra o avanço do conservadorismo e não aceitaremos saídas à direita”, afirmou o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos.

A “Frente Povo Sem Medo” é composta por mais de 30 movimentos sociais, entre eles a UNE, que, juntos, estão presentes em 15 estados. Em seu manifesto, divulgado no lançamento do coletivo, há uma conclamação para que a população saia às ruas.

“No momento político e econômico que o país tem vivido se torna urgente a necessidade de o povo intensificar a mobilização nas ruas, avenidas e praças contra esta ofensiva conservadora, o ajuste fiscal antipopular e defendendo uma saída que não onere os mais pobres”, defende a carta.

Para a diretora de cultura da UNE, Marianna Dias, a Frente Povo sem Medo é a construção da unidade entre os movimentos populares no Brasil. ”Vamos às ruas defender o povo Brasileiro, pedir mais direitos e dizer que queremos um política econômica diferente. Hoje é central barrar o conservadorismo, por isso convidamos os estudantes a irem ao nosso lado lutar por mais avanços e democracia”, enfatiza.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo