Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Estudantes Negras da UNE resistem em Campanha #‎FeminismoDasPretas

25/07/2016 às 12:15, por Cristiane Tada.

Mobilização marca semana do 25 de julho, dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha

Neste 25 de julho é comemorado o dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, e a diretoria de Mulheres da UNE promove uma mobilização nacional de estudantes negras em todo o Brasil, com a hastag ‪#‎FeminismoDasPretas‬. No Brasil, a data também é nacional, foi instituída por uma Lei de 2014, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

A campanha, cujo mote é a resistência destas mulheres à todas as formas de violência, convoca as estudantes negras brasileiras a ocuparam as redes sociais nesta última semana de julho, afirmando que “nós, mulheres negras, resistimos!”.

Para a diretora de Mulheres da UNE, Bruna Rocha, é necessário enraizar nas universidades, nos movimentos sociais e nas estruturas de poder, a responsabilidade histórica de empoderar mulheres negras, sujeitas centrais na construção de todas as sociedades em que estamos presentes.
“A feminização da pobreza tem cor e é a nossa; continuamos resistindo porque estamos na base da pirâmide socioeconômica do Brasil. Nos defendemos do sistema capitalista, racista, e patriarcal, mas não só isso: vamos pra cima dele todos os dias”, afirma.

Cerca de 200 milhões de pessoas que se identificam como afrodescendentes vivem na América Latina e no Caribe, e são os mais afetados pela pobreza, marginalização e pelo racismo, que atingem ainda mais as mulheres negras.

A mobilização faz-se ainda mais importante tendo em vista os resultados divulgados ano passado no “Mapa da Violência 2015: Homicídios de Mulheres no Brasil”, realizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), a pedido da ONU Mulheres.

O estudo apontou que na década 2003-2013 teve aumento de 54,2% no total de assassinatos desse grupo étnico, sendo um aumento de aproximadamente mil mortes a mais em 10 anos.

“Se é verdade que ‘nossos traços faciais são como letras de um documento que mantém vivo o maior crime de todos os tempos’, passam por eles também as letras de justiça, amor e igualdade que continuaremos escrevendo com nossas próprias mãos nos territórios, nas redes, na vida mais orgânica do povo brasileiro, latinoamericano e caribenho”, destaca Bruna.

De 25 a 31 de julho, a página da diretoria do Facebook será o canal onde as estudantes deverão enviar fotos, segurando os cartazes, produzidos pela designer Milla Carol, com ilustrações da grafiteira Chermie Ferreira.

Entre na campanha também! ‪#‎FeminismoDasPreta‬ – bate forte, mó treta!

Baixe os cartazes:

mulher preta6mulher preta3mulher preta4mulher preta5

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo