Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Lutas de Brasília: Enegrecer a democracia já!

31/03/2016 às 17:17, por Renata Bars, de Brasília.

Estudantes soltam o verbo sobre os direitos do povo negro e os avanços ainda necessários

O sol escaldante de Brasília não assustou os mais de 200 mil manifestantes que compareceram ao estádio Mané Garrincha na tarde desta quinta-feira (31) para defender a democracia. Em especial, estudantes negros e negras que vieram de diferentes lugares do país dizer não ao golpe.

O estudante da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Victor Cézar Rodrigues, viajou cerca de 12 horas, mas desembarcou em Brasília com muita a consciência da sua luta. ”Eu vim até aqui para defender a democracia porque eu quero que a popularização das universidades continue. Eu acho que é um papel que está sendo feito pelo atual governo. Quero mais negros e negras na universidade, quero mais respeito, menos ódio e mais amor”, disse.

Foram 22 horas de viagem enfrentadas pela estudante de ciências contábeis Aline Lima, baiana de Salvador. Ela conta que a estrada foi longa e cansativa, mas sua vontade de garantir os avanços para o povo negro é ainda maior. ”Antigamente, o pobre, o preto da periferia como eu não tinha oportunidade nem de estar dentro da universidade, então precisamos continuar garantindo isso e ampliar as cotas nas universidades federais, essa é minha luta”, contou.

A Lei 12.711 de 2012, chamada Lei das Cotas, define que as Instituições de Ensino Superior vinculadas ao Ministério da Educação e as instituições federais de ensino técnico de nível médio devem reservar 50% de suas vagas para as cotas.

”Eu acredito que deve existir mais cotas porque é mais fácil para um estudante branco de classe média com toda estrutura entrar na universidade. Os estudantes negros da periferia não tem tanta oportunidade. Meus pais mesmo não terminaram nem o ensino fundamental, como eles poderiam me ajudar? Estou aqui para que as cotas continuem e um dia eu possa entrar numa universidade federal”, enfatizou a estudante Nevolândia Santana, de Seabra na Bahia.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo