Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Caravana da UNE ocupa Brasília e arranca compromissos do MEC

07/10/2015 às 12:51, por Rafael Minoro.

Estudantes protestaram na Esplanada dos Ministérios e pressionaram contra os cortes

Estudantes de diversas regiões do país, alguns com mais de 20h de viagem de ônibus, chegaram logo cedo em Brasília na última terça-feira, 6 de outubro, para marcharem juntos contras os cortes na educação, em defesa da democracia e dos recursos do petróleo para a educação. A “Caravana da UNE” começou às 9h em frente à Biblioteca Nacional. De lá, caminhou até a frente do Congresso Nacional, repudiando as pautas conservadoras que tramitam na Casa, como a redução da maioridade penal e o estatuto da família.

Depois, os jovens saíram em passeata rumo ao Ministério da Educação, onde pretendiam se reunir com o novo ministro Aloizio Mercadante. Antes, passaram ao lado do ministério da Fazenda, onde foi realizado um ato de repúdio ao ajuste fiscal que cortou verbas que tem prejudicado principalmente os trabalhadores e a população mais pobre.

Os estudantes pararam, e compuseram uma musiquinha animada em homenagem a Joaquim Levy, o titular da pasta. “Ô, ô, ô, ôoo… cadê o dinheiro? Põe na educação e não no bolso do banqueiro!”, cantaram os estudantes.

Já na porta do MEC, a pressão com gritos e palavras de ordem resultou em um reunião do ministro com uma comissão de representantes da Caravana da UNE.

Mercadante se comprometeu pessoalmente para garantir que não haja nenhuma mudança no marco regulatório do pré-sal, projeto do senador José Serra que pode retirar recursos destinados para a educação. “Mexeu com a Petrobras, mexeu comigo e com o MEC”, bradou o ministro.

Ele se comprometeu também em dar continuidade à expansão das universidades federais, com atenção especial para assistência estudantil.

Diante de uma denuncia da presidenta da UNE, Carina Vitral, sobre abusos da universidades particulares com as chamadas disciplinas online, Mercadante disse que o MEC irá cria ruma comissão com objetivo de acabar com a farsa online das instituições privadas. “Se realmente está existindo isso para reduzir custo e prejudicar a qualidade, nós vamos acabar com isso”, disse.

O MEC estabelece, por meio da Portaria 4.059 de 10/12/04, que os cursos presenciais podem ofertar até 20% da carga horária total do curso nessa modalidade. Contudo, algumas instituições ultrapassam esse limite ou definem como online as matérias que deveriam ser obrigatoriamente presenciais.

‘’Foi um dia excelente, que começou com a notícia da regulamentação da nova lei da  meia-entrada. Tivemos uma reunião produtiva no MEC. Mas esse é apenas o começo da luta da UNE contra os cortes, em defesa da Petrobras e da educação pública’’, enfatizou a presidenta da UNE, Carina Vitral.

“A gente não acha que a educação deva ser alvo de cortes para o ajuste fiscal. A educação é que alavanca o desenvolvimento e dá oportunidade para os jovens”, protestou Carina.

Para a presidenta da UBES, Barbara Melo, os cortes não são a melhor saída para a crise, pois prejudicam os estudantes. “Muita gente que chegou a um instituto federal não consegue continuar por falta de bandejão para comer, de política de passe livre estudantil e de laboratórios decentes. É um desperdício colocar um jovem numa escola técnica e não ter estrutura suficiente para que ele se torne um bom profissional’’, pontuou.

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo