Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Após luta contra cobranças abusivas, estudante do Ibmec denuncia perseguição

05/12/2016 às 18:48, por Renata Bars.


Pedro Auar era presidente do CA quando a lei 7.202, que proíbe as universidades particulares do estado de cobrar taxas extras, foi sancionada em vitória estudantil inédita

Em janeiro deste ano, uma vitória inédita garantiu, por meio da Lei 7.202 sancionada pelo governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão, o fim das cobranças de taxas abusivas nas universidades particulares do estado. Desde então, o estudante de Direito do Ibmec-RJ, Pedro Auar, presidente do Centro Acadêmico Ministro Evandro Lins e Silva (Camels) – entidade pioneira na luta contra as taxas – alega sofrer perseguição por parte da coordenação de Direito da instituição, fato que culminou em sua expulsão e até em pedido de prisão preventiva.

”Logo após a aprovação da lei, começou uma perseguição ao Centro Acadêmico e sobretudo a mim. Aplicaram um procedimento acadêmico me afastando por trinta dias e depois disso fui reprovado por faltas. Como não podia ir à faculdade, fui obrigado a faltar”, contou Pedro.

Em 2014 o Ibmec começou a cobrar 20% da mensalidade sobre matérias reprovadas. As cobranças também envolviam taxas extras sobre provas substitutivas e matérias eletivas. No ano seguinte, o Centro Acadêmico começou a luta contra as taxas. Os representantes discentes entraram com ação no Judiciário, ação civil-pública e finalmente, no Legislativo, quando conquistaram a aprovação da Lei 7.202.

”Tudo o que buscamos no CA foi a equidade estudantil. Lutamos contra as taxas abusivas de maneira pro bono, sem ganhar nada.E agora essa perseguição”, lamentou.

Pedro teve seu computador e celular apreendidos pela polícia após denúncia de ameaça realizada pelos coordenadores do Ibmec-RJ. Um pedido de prisão preventiva também chegou a ser expedido, mas foi anulado, por hora, devido a uma liminar impetrada pela defesa do estudante.

Para Pedro, a ação é desproporcional. ”Sou um grão de areia lutando contra uma praia inteira. Os coordenadores me insultaram diversas vezes, tenho provas disso em boletins de ocorrência, coisa que eles não tem. Me acusam de ameaça, mas não existe nada para provar isso. Nem print de Facebook, nem uma conta telefônica. Só a palavra deles está sendo levada em conta”, destacou.

O presidente da UEE-RJ , Leonardo Guimarães, acredita que o que está havendo no Ibmec é a judiacilização do movimento estudantil. ”Tentaram reprovar um estudante com nota suficiente para passar, tentaram a expulsão e agora tentam dizer que ele (Pedro Auar) atenta contra a integridade moral dos coordenadores da instituição. Tudo isso após a luta do CA que ajudou a aprovar uma lei tão importante. É bizarro”, disse.

Ao site da UNE, a assessoria do Ibmec informou que o estudante Pedro Auar ” foi desligado da instituição por decisão apoiada em processos administrativos-disciplinares que foram conduzidos de acordo com a autonomia universitária prevista na Constituição.”

Quanto ao processo movido pelos coordenadores, a instituição afirmou não fazer interferência. ”A instituição ressalta que não interfere em eventuais processos que envolvam ex-alunos e terceiros, limitando-se a acompanhar apenas as demandas em que o Ibmec figura como parte.”

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo