Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

Após acidente de elevador, Unijorge deixa estudantes sem assistência

07/10/2015 às 15:48, por Renata Bars.

UNE lamenta o caso e exige uma posição da universidade

No último dia 29 setembro, um elevador despencou do sétimo andar na faculdade Unijorge, em Salvador, deixando pelo menos seis pessoas feridas. Uma equipe dos Bombeiros também foi ao local, além de técnicos responsáveis pela manutenção do equipamento.

A assessoria de comunicação da Unijorge informou que a descida inesperada do elevador ocorreu devido ao excesso de peso e foi controlada pelo sistema automático de frenagem. A União Nacional dos Estudantes, no entanto repudia a falta de assistência por parte da instituição e exige uma posição dos responsáveis. Confira:

Nota de repúdio

A União Nacional das e dos Estudantes vem, por meio desta nota, repudiar a negligência institucional da Unijorge (Salvador, Bahia) para com os e as estudantes que sofreram um acidente nas instalações da instituição. No último dia 29/9, por volta das 21h, o elevador do campus do Comércio caiu do sétimo andar com nove estudantes dentro.

Felizmente, todo mundo sobreviveu, mas todas e todos ficaram bem machucados. Não houve nenhum tipo de assistência institucional concreta até o momento para os e as acidentadas. No momento do acidente, foram chamados o Corpo de Bombeiros e a o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), onde direcionaram apenas quem identificaram que estava com mais dores e mais sinais de trauma.

O restante dos e das estudantes ficou à deriva e estão cuidando da saúde às suas próprias custas. Uma das estudantes presentes no acidente  relatou como tem sido sua vida depois do acidente:

“O susto foi grande, o trauma psicológico está muito intenso. Não consigo dormir, com a sensação de que estou caindo. A cada vez que alguém pergunta sobre o caso, eu choro pois lembro do que os agentes do Corpo de Bombeiros que foi um milagre sobrevivermos. O elevador caiu de portas abertas, uma menina queria se atirar em um dos andares, mas nós seguramos, pois certamente ela não teria sobrevivido. O susto foi realmente muito grande: barulho, pedras, fumaça, foi um inferno”.

A Universidade procurou algumas estudantes três dias depois do ocorrido, mas sem apresentar grandes responsabilidades com o tratamento físico e a recuperação psicológica da turma. De acordo com uma das estudantes, que preferiu não se identificar temendo retaliação, a instituição tem alegado superlotação, no entanto, a mesma estudante afirma que o elevador sempre circulou com mais de nove pessoas e no dia, funcionava sem fiscalização de funcionários.

A UNE exige que a Unijorge se responsabilize por todos os custos com medicamento e atendimento médico, garanta acompanhamento psicológico e indenize as e os estudantes pelo trauma sofrido no acidente. É um absurdo a postura negligente da instituição e nós, da UNE, afirmamos nosso compromisso em acompanhar o caso até que os e as estudantes sejam ressarcidos pela dor e traumas que estão passando.

União Nacional das e dos Estudantes

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo