Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

A Bienal da UNE sob um outro olhar

10/02/2017 às 13:49, por Yuri Salvador / Edição: Rafael Minoro.


 

Uma semana depois, a Bienal ainda pulsa; neste ensaio, nosso repórter fotográfico Yuri Salvador traz uma visão bem peculiar do grandioso festival; confira e volte ao tempo para relembrar a décima edição de um dos maiores encontros estudantis da América Latina

Os quatro dias da 10ª Bienal da UNE, para além do “Guia de Programação’, ofereceram, não só aos participantes, mas a quem trabalhou e pegou no pesado durante o evento, um olhar diferente de tudo o que aconteceu naquele espaço, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Batendo perna por todos os cantos do maior centro cultural do Brasil, eu, Yuri Salvador, repórter fotográfico da equipe do departamento de comunicação da UNE, fiz uma seleção de imagens que mostram um pouquinho do olhar das lentes da minha GoPro e da minha DSLR. Abro, então, as portas de um outro festival, mais intimista.

Uma performance agressiva

Quem viu o Artista Plástico Albert Lazarini de Oliveira (foto acima), conhecido por suas iniciais ALO, criar sua obra e, no dia seguinte, apagá-la com tinta cinza, entendeu o recado.

 

ALO usou sua própria arte para se manifestar contra o projeto “Cidade Linda”, do prefeito de São Paulo, João Dória, que tem como foco apagar pixos e grafites (que não se enquadram na régua de beleza do prefeito).

 

Albert meteu sua máscara de “Dória” e atropelou de cinza sua própria obra. Uma das performances mais pontuais da Bienal.

O desconforto do “Mata-Zé”

A projeção de imagens perturbadoras (miséria, fome e terror) fazia par com um ruído inquietante, que por sua vez interagia com o artista, parte da obra. Neste ponto, nenhuma obra cumpriu melhor seu papel.

 

Eu deixei o local, pois me senti extremamente mal.

A capacidade de reinventar

Convidada para o Encontro “Reinvenção da Sátira e da Crítica”, a youtuber Tia Má teve um dia (que poderia ser) de azar na 10ª Bienal da UNE.

 

“A mesa toda caiu”, como se diz nos bastidores.  Todos os debatedores tiveram ou algum imprevisto ou problemas de saúde e não puderam comparecer.

 

Num estalo só nossa jornalista Sara Puerta descobriu que um dos colaboradores da comunicação, Moisés Loureiro,  também era humorista e o convidou para integrar a mesa.

 

O resultado? Tia Má bombou, Moisés deu um show de Stand Up Comedy. E tudo deu certo!

Hora do descanso

 

Para quem não está habituado com o calor de Fortaleza e à intensidade de uma Bienal, um descanso é sempre bem-vindo, seja onde for.

 

Isso inclui os pequenos também.

“Trabalho, TRABALHO… NOVO TRABALHO”

A Bienal é feita da exposição de trabalhos e também de “trabalhos”. Muitas pessoas aproveitam o encontro de estudantes de todo Brasil para espalhar sua arte e ainda fazer uma grana.

Momento sélfie!

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura é, por si só, uma imensa obra de arte. A todo instante podia-se ver a galera fazendo belos registros por todos os lugares.

O GRANDE DEBATE!

 

Quem acompanhou a mesa “Reinvenção da economia e as saídas para a crise”, com Ciro Gomes e Luciana Genro, sentiu a energia do local. Parecia que a Bienal inteira estava alí, reunida na Praça Verde.

 

Um dos momentos mais grandiosos do evento, sem dúvida.

GENTE QUE FAZ

Ninguém vê, mas a Bienal da UNE conta com a contribuição de dezenas de profissionais para fazer a roda girar “como se deve acontecer e nada dar errado”. Com uma gigantesca equipe de comunicação, trabalhando dia e noite, nenhum detalhe foi perdido.

 

 

Aqui, uma parte da equipe de produção e de comunicação acerta os últimos detalhes antes de começar o evento.

o pão

Um pedacinho de cada equipe contribuiu para a capa do primeiro “O Pão”, o jornal diário da Bienal, formando um grande número 10!

 

Eis, acima, o resultado.

 

Zé Celso e sua Aula Magma

Quem foi à aula de Zé Celso na Bienal viveu um mix de emoções.

 

Provocador, Zé botou a juventude pra sambar, falar, cantar, discutir.

O FIM

A Culturata de encerramento é sempre o ponto de “lavar a alma” na Bienal. Junta tudo! Quem trabalhou, quem participou, quem não participou… A festa é de todos.

 

Neste momento as energias já estão na reserva. Deu tudo certo!

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo