Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

Notícias

Últimas Notícias

25 de Julho: Sou Mulher Negra e o Meu lugar é na UNE

25/07/2015 às 14:21, por Diretoria de Mulheres da UNE.

Confira os memes e o manifesto da diretoria de Mulheres da UNE em homenagem ao dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha

“Negra sempre foi o meu nome!”

(Elza Soares – Lata D’água)

Em 25 de julho de 1992, guerreiras de diversos países finalizavam o emblemático 1º Encontro de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, demarcando esta data como um dia de reflexão sobre o papel da mulher negra no desenvolvimento, emancipação e descolonização destas nações. Em junho de 2015, elegemos mais uma mulher à presidência da UNE e uma mulher negra e nordestina à vice-presidência: duas mulheres feministas, que constroem uma UNE cada vez mais com a nossa cara.

Clique aqui para baixar os memes criados pela UNE para o 25 de julho. 

A cara revolucionária da direção da maior entidade estudantil da América Latina é a expressão de como vem mudando o perfil do ensino superior brasileiro e, por consequência, do movimento estudantil como um todo. A cada dia, mais mulheres tem se apropriado dos espaços de auto-organização nas universidades brasileiras, seja nos tradicionais centros acadêmicos ou diretórios centrais, seja nos mais diversos coletivos, grupos e frentes.

A nossa presença enquanto sujeitos políticos vêm modificando a cara do movimento estudantil brasileiro. É notório que este movimento infelizmente ainda lida com os limites do machismo e racismo que buscam nos vetar em determinados espaços tradicionais de poder, porém nosso empoderamento reflete nossa capacidade de reinventar as ferramentas de luta e apontar novos caminhos para a transformação da educação e de toda a sociedade.

É inconstestável o crescente no número de frentes feministas, coletivos de meninas negras, rede de blogueiras, grupos de crespas, grupos de poesia, grupos de estudo extra-curriculares, e uma infinidade de articulações que, hoje em dia, coexistem com as disputas já institucionalizadas tanto na academia quanto no movimento estudantil.

Nós, mulheres negras e latinas, temos mostrado que é possível construir conhecimento, sem descaracterizar nossa história, que é possível disputar um outro modelo de universidade através da cultura, e que conseguimos pautar a assistência estudantil com um nítido recorte de identidade, que pensar e debater orçamento participativo é estar conectada com o debate de combate ao racismo institucional, e que lutar para a revisão curricular é combater o sexismo, a lgbtfobia, o racismo e todas as formas de opressões que também recaem sobre as mulheres.

Seu corre é todo dia, sua luta é mais que grito… Armada de ousadia!
Porque Lugar de Mulher é onde ela quiser!”

(Marina Peralta – Ela Encanta)

Esta explosão de experiências, saberes e resistências tem gerado um impacto sobre os coletivos do movimento estudantil e sobre as entidades. A União Nacional das e dos Estudantes está atenta às transformações revolucionárias provocadas pela intervenção das mulheres negras e latinas e tem se articulado para dar cada vez mais respostas às demandas que ainda transbordam entre nós.

Estamos nos fortalecendo para ir de encontro à violência institucionalizada, que, no modelo conservador de universidade vai desde o despreparo do corpo docente e administrativo das instituições de ensino até os casos de machismo e racismo mais escancarados, como vem sido denunciado todos os dias nas redes sociais. A internet, inclusive, parece muitas vezes ser o único meio de desabafo público e acaba sendo usado como um importante instrumento de mobilização, pressão e constrangimento social sobre os casos de violência recorrentes contra mulheres e, sobretudo, mulheres negras nas universidades, pois internamente não há muitos mecanismos de denuncia e coerção para estes casos. A rede, entretanto, é uma “faca de dois gumes”, pois também é ambiente livre para manifestações de racismo, machismo, lesbofobia e todo tipo de “piada” fascista que tem sido muito comum também no que chamamos de onda reacionária dos últimos períodos.

Em tempos de crise somos nós mulheres e, principalmente, negras e latinas que somos mais afetadas pelas dificuldades econômicas que vêm impactando os investimentos na Educação e nos programas sociais, somos quem sofremos com o encarceramento do povo negro e por isso, tambén protagonistas da voz que grita NÃO para a redução da maioridade penal. Somos nós as mais interessadas em luta contínua por um ensino superior cada vez mais acessível e que nos garanta a conclusão de nossa formação, com segurança e direitos.

Somos aguerridas e não desistimos, encaramos as várias jornadas de luta e vida por compreendermos a necessidade da auto-organização e por reconhecermos que nossa vitória, além de não ser por acidente, será tomada por nossas próprias mãos. Por isso, somos mulheres que diariamente construímos a disputa social nas nossas salas de aula, em nossas bolsas acadêmicas, em nossos estágios, em nossos lares, em nossas famílias e rotinas, nas ruas e na UNE.

Construímos um grandioso VI Encontro de Mulheres Estudantes, o maior Encontro de Negras e Negros e o I Encontro LGBT da UNE em 2015, de modo que na luta reunimos diversos militantes de todo o país para se articularem em torno destas pautas e ocuparem cada vez mais os espaços protagonistas do movimento estudantil e da política. Reinventar o calendário da UNE, priorizando a construção destes espaços de autoorganização foi fundamental para a incrível diversidade, força e capacidade de aglutinação explícitas no 54º Congresso da UNE.

Nossa luta é contínua, não temos medo das dificuldades e seguimos dia a dia com a parceria de nossas companheiras, acadêmicas, professoras, as mulheres de nossa família que são nossas primeiras referências e todas as trabalhadoras que fazem este país um lugar onde a esperança em um mundo melhor ainda faz muito sentido.

Porque hoje é dia 25, amanhã será também, embora outro dia, mas o Lugar da Mulher Preta e Latina é onde ELA quiser!

Deixa ela, deixa! Ser livre, seguir sem se importar

Se quiser ir pra qualquer lugar, que vá. Não tem asas, mas pode voar!”

(Karol Conka – Sandália)

 

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo