Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

HONESTINO GUIMARÃES É OFICIALMENTE DECLARADO ANISTIADO POLÍTICO

Foi publicada nesta sexta-feira (11/4), portaria do Ministério da Justiça que declarou o goiano Honestino Guimarães, ex-presidente da União Nacional dos Estudantes, anistiado político post mortem (pós-morte) . O governo também determinou a retificação do atestado de óbito, para que conste como causa da morte “atos de violência praticados pelo Estado”.

Na última das suas seis prisões, Honestino foi levado a uma instalação do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna no Rio de Janeiro, em 10 de outubro de 1973, e está, desde então, desaparecido. A data, recém-descoberta, é a mais preciosa pista encontrada desde seu desaparecimento, há 40 anos.

Para a presidenta da UNE, Virgínia Barros, a anistia e correção do atestado de óbito nada mais é do que a história sendo contada em sua forma verdadeira. ‘’É a valorização da luta de Honestino e tantos outros estudantes que perderam suas vidas defendendo a democracia. Estamos finalmente fazendo justiça’’, disse.

Até então, a causa mortis não estava especificada no documento. A condição de anistiado já havia sido concedida pela Comissão de Anistia durante uma cerimônia realizada na Universidade de Brasília (UNB), em setembro de 2013. Na ocasião, o secretário nacional de Justiça e presidente da Comissão, Paulo Abrão, afirmou que homenagear Honestino Guimarães era uma forma de, emblematicamente, oficializar o pedido de desculpa do Estado à sua família. ‘’Um gesto que o país, até o momento, não havia feito”, falou.

QUEM FOI HONESTINO?

Honestino Guimarães nasceu em Itaberaí (GO) no dia 28 de março de 1947. Na década de 60 mudou com a família para Brasília (DF). Estudou no Centro de Ensino Médio Elefante Branco e no Centro Integrado de Ensino Médio. Iniciou sua militância no movimento secundarista e filiou-se à Ação Popular, organização clandestina originada de movimentos sociais católicos.

Em 1964, durante o Golpe de Estado no Brasil em 1964, Honestino estava cursando o terceiro ano do Centro Integrado de Ensino Médio de Brasília. No ano seguinte (1965) entrou para o curso de Geologia na Universidade de Brasília – UnB.

Em 1968, com o AI 5, saiu de Brasília e passou a viver, como clandestino em São Paulo com sua companheira Isaura. Em 1970 nasceu a filha do casal, Juliana.

No congresso da UNE de 1971, no Rio de Janeiro, na Baixada Fluminense, foi eleito presidente. Combateu a ditadura até 73 quando desapareceu e não se teve mais notícias.

ASSISTA AO DOCUMENTÁRIO SOBRE HONESTINO

Da Redação

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo