Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

UNE CONVOCA #MARCHADOSESTUDANTES EM DEFESA DA EDUCAÇÃO E DAS FEDERAIS

Em defesa de uma educação de qualidade para os brasileiros, a União Nacional dos Estudantes convoca um grande ato para 26 de junho, terça-feira da próxima semana, em Brasília. A concentração do ato está marcada para às 9h, em frente à Biblioteca Nacional.

Os estudantes vão às ruas para defender a aprovação de um Plano Nacional de Educação (PNE), com 10% do PIB e 50% do fundo social e dos royalties do Pré-sal para educação, apoiar e levantar suas bandeiras de luta na greve das federais, além da regulamentação do ensino privado e ampliação do acesso as universidades.

O ato fortalece a agenda de luta do movimento estudantil na greve e é um desdobramento do 60º Coneg da UNE, encontro que reuniu durante os dias 15 a 17 de junho, no Rio de Janeiro, lideranças estudantis de todo o país, entre eles 44 DCE´s de universidades federais.

“Apoiamos a pauta dos professores e servidores, reconhecemos e participamos da mobilização dos estudantes, e consideramos que este deve ser um momento de unidade de todos os segmentos que compõem a universidade, para que possamos caminhar juntos rumo a conquistas para todos e a uma universidade pública, gratuita e de qualidade”, afirmou o presidente da UNE, Daniel Iliescu.

Greve das federais em defesa da educação e da universidade brasileira 

O mês de maio de 2012 pode ser indiscutivelmente considerado histórico para a educação no Brasil, quando emergiu uma grande mobilização nas universidades federais – tanto pela greve iniciada pelos docentes e o indicativo de greve dos servidores técnico-administrativos, quanto pela participação fundamental dos estudantes nesse movimento.

Desde a deflagração da paralisação nacional por tempo indeterminado, anunciada no dia 17, cinquenta e três das cinquenta e nove instituições federais suspenderam suas atividades, enquanto trinta delas declararam greve estudantil.

Nesse cenário, os estudantes reivindicam a triplicação das verbas destinadas à assistência estudantil – atualmente são investidos apenas R$500 milhões por ano, a contratação de mais professores e servidores técnicos administrativos para cada instituição, a implantação de um plano para conclusão das obras de infraestrutura que estão paradas nas universidades, a paridade nas eleições da reitoria, e a exigência de 10% do PIB e 50% dos royalties do Pré-sal a ser investidos em educação.

PNE: mais investimentos para a educação

O Brasil vive dias decisivos para os rumos da educação do país e para definição do tipo de desenvolvimento que será adotado para a próxima década. No bojo das discussões do novo Plano Nacional de Educação (PNE), em tramitação no congresso.

A Comissão Especial do Plano Nacional de Educação (PNE) aprovou, no último dia 13/06, em caráter conclusivo, o texto principal do deputado Angelo Vanhoni (PT-PR). O relator fixou o índice em 8% do PIB, mas os destaques devem ser analisados no dia 26 de junho. O projeto ainda poderá ser analisado pelo Plenário da Câmara, caso haja recurso contra a decisão da comissão.

O debate em torno do PNE traz a possibilidade de dialogar sobre o projeto de universidade que a juventude quer para o país, e o movimento educacional unificado reafirma que este é momento de ampliação de direitos, e que não aceitará investimentos menores do que 10% do PIB e 50% dos royalties e do Fundo Social do Pré-Sal para a educação.

– Mensalidade +Qualidade: regulamentação das privadas

Em um contexto de fusões e crescimento das instituições privadas de ensino, as entidades estudantis recebem diariamente denúncias graves de universitário em todo o território nacional. Em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e diversos outros estados, já aconteceram dezenas de atos e ocupações de reitoria este ano contra o aumento abusivo das mensalidades e contra o sucateamento dessas instituições

Da Redação

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo