COM APOIO DA UNE, CADASTRO DO PASSE-LIVRE É REGULARIZADO NO RS

Estudantes beneficiados terão seus cartões entregues em 15 dias

LUGAR DE MULHER É…ONDE ELA QUISER!

Confira a entrevista com Camila Achutti, do blog Mulheres na Computação

DE OLHO NO CAMPUS!

Confira os destaques dessa semana!

“QUEM TEM MEDO DA DEMOCRACIA?”, POR THIAGO JOSÉ

Leia artigo do diretor de Comunicação da UNE sobre às ofensivas a democracia que nosso país tem sofrido

CULTURA DENTRO DO BOLSO

A imagem é da animação O Menino e o mundo, do Festival Anima Mundi, no Rio de Janeiro


Carteira Estudantil

POR MAIS DESENVOLVIMENTO, ESTUDANTES PRESTIGIAM O 1º DE MAIO UNIFICADO

Ato unificado por desenvolvimento com menos juros, salários e empregos une estudantes e trabalhadores

O ato do 1 º de maio Unificado, organizado pelas centras sindicais CTB, CGTB, Força, NCST e UGT, que reuniu cerca de 1 milhão de pessoas, em São Paulo, teve também a adesão do movimento estudantil, através da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) que prestigiaram o evento.

Para a UNE, o 1º de maio é uma data histórica de luta da classe trabalhadora. “Nós entendemos que a data de hoje é histórica, pois marca a luta por uma nova relação entre os trabalhadores e o trabalho desde a época em que os trabalhadores nos Estados Unidos faziam manifestações pela redução na jornada de trabalho que é uma pauta atual do movimento social, junto com o movimento sindical e com movimento estudantil”, afirmou Daniel Iliescu, presidente nacional da entidade.

Este ano, as bandeiras de luta giraram em torno do tema “Desenvolvimento com menos juros, mais salários e empregos”, em defesa da redução da jornada sem redução de salários; educação e qualificação profissional; valorização do serviço público e do servidor público; valorização do salário mínimo; redução da taxa de juros; fim do fator previdenciário e valorização das aposentadorias; igualdade entre homens e mulheres e Trabalho Decente. Bandeiras que são defendidas pelo movimento estudantil e ampliadas para outras camadas da sociedade. ” Defendemos essas bandeiras de luta da classe trabalhadora ao lado de outras como a ampliação do investimento em educação pública e a reforma agrária essas são as bandeiras que podem levar o Brasil a ser mais justo democrático e desenvolvido”, defende o presidente da UNE.

Da mesma opinião compartilha Manuela Braga, presidenta nacional da UBES. “É importante que todas as classes dos trabalhadores e estudantes sigam nessa luta contra a desindustrialização do Brasil, pela redução da jornada de trabalho, redução dos juros e por um aumento no investimento na educação”, afirmou. Lembrando que esse 1º de maio aconteceu em plena crise do capitalismo, na qual milhares de trabalhadores e estudantes do mundo enfrentam as mazelas da crise. E para a UNE esse é um momento de lutar pela ruptura do sistema opressor. “O 1º de maio marca o nosso desejo de querer um novo modelo de produção que supere o capitalismo e que os trabalhadores possam ter acesso aquilo que eles produzem”, afirmou Daniel.

Paula Farias / Portal CTB

Veja mais notícias

Deixe uma resposta