RETROSPECTIVA 2014: O ANO QUE UNE CONQUISTOU 10%DO PIB PARA A EDUCAÇÃO

Nova gestão vai para as ruas, oxigena as lutas e conquista mais recursos para o setor

PASSO HISTÓRICO: CUBA E EUA PRETENDEM RETOMAR RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS

Pela primeira vez desde a Revolução Cubana, países ensaiam uma reaproximação

SOMOS TODAS MARIA DO ROSÁRIO

Movimento estudantil e social realizam ato pedindo em solidariedade à deputada e pedindo a cassação de Bolsonaro

CUCA DA UNE SE REINVENTA A CADA BIENAL

O circuito de artes da entidade comemora 14 anos na nona edição do festival, no RJ

HISTÓRIA DAS BIENAIS: NOSSA CULTURA EM MOVIMENTO

Iniciativa da Bienal da UNE se consolidou com a 2ª edição do festival. Confira como foi!


9ª Bienal da Une

AGORA É HORA! GUERRILHA VIRTUAL EM DEFESA DO ESTATUTO DA JUVENTUDE

No dia da votação da matéria, entidade organiza uma “campanha virtual” para a imediata aprovação do projeto

Para chamar a atenção da sociedade e pressionar os parlamentares, a União Nacional dos Estudantes (UNE) convoca para esta quarta-feira (15), às 13h, uma grande “guerrilha virtual”. O objetivo é claro: mobilizar e pressionar os senadores a aprovarem imediatamente o Estatuto da Juventude, projeto de lei que tramita na Casa e deve ser votado neste mesmo dia.

A ideia é que a juventude brasileira utilize as redes sociais como instrumento de luta, levando para todos os cantos do país a mensagem da manifestação. Na quarta-feira passada (8), a mobilização deu certo e a hashtag #EstatutodaJuventude ficou em segundo lugar nos Trendings Topics (TTs) Brasil do Twitter, sendo um dos assuntos mais comentados do microblog.

Para Daniel Iliescu, presidente da UNE, a “guerrilha virtual” é o principal instrumento de combate da juventude e pode mudar a cara do Brasil nesta quarta-feira: “A participação popular é o motor das transformações sociais. A manifestação da opinião de cada jovem pode contribuir com o andamento do processo no Senado. Por isso, é fundamental que os jovens se posicionem sobre o Estatuto da Juventude amanhã, às 13h”.

Pela aprovação do Estatuto da Juventude

É possível considerar que a categoria “juventude” é bastante nova no ideário social brasileiro. Historicamente, em nosso país, as leis referentes à popularmente chamada “fase de transição entre a infância e a idade adulta” atingiam a juventude de forma insuficiente.

Só a partir da década de 90, quando foi aprovado o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) através da Lei 8.069, essa categorização passou a ser melhor definida. No entanto, ainda assim, o jovem não ganha o referencial necessário.

O Estatuto da Juventude cumpre de maneira eficiente esta carência. A matéria que será votada nesta quarta-feira (15) é uma declaração de direitos e deveres dos jovens, acrescida de uma estrutura jurídica mínima que permita a eles discutir, formular, executar e avaliar as políticas públicas de juventude. Em outras palavras, é um instrumento jurídico-político para promover os direitos da juventude, reconhecendo que os jovens, entre 15 e 29 anos, são atores sociais estratégicos para a transformação e melhoria do Brasil.

A aprovação do Estatuto na Câmara dos Deputados, no dia 05/11/2011, foi, sem dúvida, a maior conquista do século para a juventude e um marco na história brasileira e do movimento estudantil.(Leia mais: http://bit.ly/r3WCt7)

Mas o que acontece com a votação do Estatuto?

A votação do Estatuto foi adiada várias vezes nos últimos meses no Senado e tramita hoje na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), tendo como relator o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), com voto favorável à sua aprovação.

Em novembro de 2011, por iniciativa do relator, foi realizada audiência pública pra instruir o projeto, ao qual já foram apresentadas emendas pelos senadores Aloysio Nunes Ferrreira (PSDB-SP), Clésio Andrade (PR-MG), Flexa Ribeiro (PSDB-PA) e Álvaro Dias (PSDB-PR), além de voto em separado do senador Demóstenes Torres (DEM-DO). O texto é polêmico e, desde que saiu da Câmara Federal, foi alvo de diversas emendas. A expectativa, portanto, é que nesta quarta-feira os senadores acertem os ponteiros e aprovem a proposição.

Contudo, três propostas do estatuto são foco de divergências entre os senadores: a meia-entrada em eventos culturais, de entretenimento e de lazer, o desconto de 50% nos transportes intermunicipais e interestaduais e a vinculação de, no mínimo, 30% de recursos do Fundo Nacional de Cultura (FNC) para programas destinados aos jovens.

Após a votação pela CCJ, o Estatuto da Juventude seguirá para análise das Comissões de Assuntos Sociais (CAS); de Educação, Cultura e Esporte (CE), e de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

Estudantes cobram agilidade

Segundo o presidente da UNE, a entidade quer entregar ainda hoje uma carta-aberta dos estudantes brasileiros à presidenta Dilma Rousseff, cobrando agilidade e compromisso na aprovação do Estatuto da Juventude. “As medidas irão impulsionar os direitos da juventude em diversos órgãos e conselhos das esferas municipais, estaduais e federais”, declarou.

O senador Randolfe Rodrigues acredita que o atual texto seja aprovado pela CCJ nessa quarta-feira. “Estamos trabalhando pelo entendimento de todos os senadores, inclusive o de Demóstenes Torres”, avaliou.

Ele ainda esclareceu que o texto que veio da Câmara foi avaliado com base no que os órgãos mundiais dizem sobre a juventude e classificam como correto para tal faixa etária. “Nós não tiramos nada da nossa cabeça. Quando estipulamos a faixa etária dos jovens de 15 a 29 anos, seguimos o que a Organização das Nações Unidas (ONU) estabelece”, explica Rodrigues, alfinetando uma das emendas propostas pelo senador Demóstenes Torres.

Da Redação

Veja mais notícias

Uma resposta para “AGORA É HORA! GUERRILHA VIRTUAL EM DEFESA DO ESTATUTO DA JUVENTUDE”

  1. FATIMA CARRIELLO disse:

    temos que ressaltar que não somente os direitos dos jovens, assim como das crianças e dos adolescentes, que têm de ter validade,mas, e principalmente, os deveres dos mesmos, pois, a cada dia vemos o quanto eles estão esquecendo dos seus deveres e requisitando somente os seus direitos..

Deixe uma resposta