DE OLHO NO CAMPUS!

A agenda da semana já está no ar. Confira!

POR UMA REFORMA POLÍTICA QUE ASSEGURE IGUALDADE: MAIS MULHERES NO PODER!

52% do eleitorado, elas não representam ainda nem 10% do Congresso Nacional

CULTURA DENTRO DO BOLSO

Manga de Vento no Centro Cultural UFG em Goiânia é destaque da coluna de hoje

UPE: 75 ANOS DE LUTAS E CONQUISTAS

Neste mês de setembro, entidade estudantil paranaense celebra mais um ano de vida

ENCONTRO CATARINENSE DE UNIVERSIDADES COMUNITÁRIAS

UCE promove debate dificuldades nas instituições de ensino de cerca 215 mil estudantes no Estado


Carteira Estudantil

Linhas de Atuação

A UNE representa todos os estudantes universitários do Brasil, sua principal bandeira, historicamente, é a educação gratuita e de qualidade para todos. Desde as primeiras constituições da república, o Estado aponta na direção da universalização do ensino básico, no entanto, a educação não se apresenta com a mesma qualidade para todos, reproduzindo as graves desigualdades sociais brasileiras. A UNE defende, incondicionalmente, que o Estado brasileiro amplie para 10% do seu Produto Interno Bruto (PIB) o investimento em educação. O movimento estudantil propõe alternativas para ampliação dos gastos nesse setor, a principal, atualmente, é a luta dos estudantes para que 50% do Fundo Social das riquezas do Pré-Sal sejam destinados exclusivamente para a educação. A UNE apresentou, recentemente, diversas emendas para o Plano Nacional de Educação do governo federal e acompanha todas as discussões sobre esse tema no Congresso Nacional, nos estados e municípios.

Juventude

Desde muito pouco tempo, a juventude brasileira é tratada pelo governo brasileiro como uma parcela específica da população, com suas particularidades, demandas e potencialidades específicas. A UNE participa diretamente dessa luta pela implementação das políticas de juventude no Brasil e é membro fundadora do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) desde 2005. A UNE teve participação fundamental na mobilização nacional pela Prosposta de Emenda Contitucional 65, a PEC da Juventude que acabou aprovada no ano de 2010 após muita luta e reivindicação dos estudantes. A Emenda incluiu a juventude, explicitamente, no texto da Constituição Federal, como um público a ser atendido pelo Estado. A partir de agora, a UNE luta para que isso realmente aconteça, com a aprovação do Plano Nacional de Juventude e do Estatuto da Juventude. A UNE contribui com o debate sobre juventude com assento também em outras instâncias como o Conselho Nacional de Saúde e o Conselho Nacional Antidrogas.

Diversidade

Durante os anos difíceis da ditadura e da redemocratização do Brasil, o movimento estudantil lutou pelas liberdades, pela livre possibilidade de expressar opiniões, defender direitos e se organizar. Porém, mesmo nos novos tempos de democracia, alguns grupos da sociedade, e especialmente da juventude continuam oprimidos, vítimas de preconceito, violência, exclusão, injustiça e desigualdade de oportunidades. A UNE defende a unidade da juventude a partir da sua diversidade, privilegiando a organização de estudantes mulheres, gays, lésbicas, negros e outros grupos que compõe o mosaico colorido da classe estudantil brasileira. Entre as principais atividades do movimento estudantil nessa área estão o Encontro de Negros, Negras e Cotistas da UNE (Enune) e o Encontro de Mulheres da UNE (EME). Além disso, a UNE possui uma diretoria LGBT e participa da organização das principais paradas gays do Brasil. Defende as políticas afirmativas para a afirmação de minorias raciais, de gênero e, principalmente, para estudantes pobres terem mais acesso à universidade.

Cultura

O movimento estudantil está envolvido, desde seus primeiros anos de atuação, com a temática da Cultura. A atividade cultural da UNE começa ainda nos anos 40, torna-se prioritária para o movimento na década de 60, com o Centro Popular de Cultura (CPC da UNE), e é retomada no século XXI com as Bienais da UNE e o Circuito Universitário de Cultura e Arte (CUCA da UNE). A UNE defende a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 150, que amplia os investimentos do governo federal em cultura para 2% do Produto Interno Bruto (PIB). Essa é uma reivindicação antiga dos estudantes, presente em todas as suas Culturatas, ao final de cada Bienal da UNE. As Culturatas são uma mescla de passeata e manifestação cultural que englobam todas as linguagens e propostas, quando a saudável luta política abre espaço também para a arte e o improviso. A UNE participou dos debates e das realizações da área da Cultura no útlimo governo. Atualmente, a entidade defende o Plano Nacional de Cultura, para efetivar os direitos conquistados de forma inédia pela mobilização de grupos de todo o país. O movimento estudantil valoriza a regionalização da diversidade brasileira e entende que a cultura nacional é uma um bem inalienável, um patriônio imaterial que precisa ser defendido e preservado.

Esporte

Na expectativa de grandes eventos esportivos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o esporte significa, para a juventude, mais do que uma prática de simples competição ou entretenimento. Participando como organizadora da Conferência Livre Nacional de Esporte, a UNE fortalece o debate a respeito do legado social dos jogos, assim como da ampliação das políticas públicas de esporte como instrumento de inclusão social dos jovens, promoção da saúde e das práticas solidárias. O movimento estudantil inclui o esporte já há muitas décadas, com a realização dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) e a organização das atléticas estudantis. A UNE defende que todas as universidades tenham equipamentos esportivos para os jovens. Sua sétima Bienal, no Rio de Janeiro, incluiu o esporte entre suas atividades, com valorização das modalidades radicais, urbanas e a realização do primeiro campeonato brasileiro universitário de futebol.

Movimento Social

As lutas dos estudantes no Brasil assemelham-se, em muitos pontos, às dos trabalhadores urbanos e rurais, das famílias sem moradia, mulheres, servidores públicos, grupos que defendem, cada qual à sua maneira, a justiça social no país. A UNE participa ativamente da Confederação dos Movimentos Sociais (CMS), unificando suas bandeiras com as de dezenas de entidades de todo o Brasil. Os estudantes brasileiros defendem firmemente a reforma agrária e a redução da jornada de trabalho no país, são solidários às ocupações populares organizadas de moradia, apoiam todos os movimentos contrários ao preconceito e à intolerância, defendem a luta e os direitos das comunidades tradicionais no território nacional. No início dos anos 60, a UNE foi um dos principais movimentos brasileiros em defesa das reformas sociais do país, desde então, suas bandeiras estão sempre presentes em qualquer momento de mobilização importante para a afirmação dos movimentos populares e da igualdade no Brasil.

Política

A UNE já nasceu envolvida nas principais questões políticas do Brasil. Na década de 40, os estudantes pressionaram o governo de Getúlio Vargas a tomar posição contra o nazismo de Hitler na Segunda Guerra Mundial. Nos anos 50, lutaram pelo petróleo, nos anos 60 tiveram papel importante na campanha pela legalidade e posse do presidente João Goulart. Os estudantes combateram o regime militar, participaram do movimento das “Diretas Já” e foram os personagens principais da campanha “Fora Collor”, durante o primeiro processo de impeachment de um presidente da república. A UNE foi, talvez, a principal resistência à ditadura que, por 20 anos, perseguiu, torturou e executou aqueles que queriam se organizar politicamente e expressar as suas opiniões. Portanto, obviamente, todos os partidos políticos e todas as idelogias são extremamente bem vindas dentro da UNE. Participam da entidade, por exemplo, jovens filiados ao PT e ao PSDB, ao PC do B e ao DEM, ao PMDB e ao PPS, assim como militantes de outros partidos e um número imenso de jovens independentes, sem nenhuma agremiação partidiária. O movimento estudantil acompanha de perto as atividades do Congresso Nacional, as comissões especiais e frentes parlamentares, assim como as ações do poder executivo, levando sempre idéias e propostas positivas para o Brasil e sua juventude.

Internacional

Articulada a outras organizações similares no continente e no resto do mundo, a UNE compõe uma rede mundial em defesa da autonomia dos povos, contra o imperialismo e a favor das relações de solidariedade e respeito internacionais. A entidade é membro fundadora do Fórum Social Mundial, participa do Festival Mundial de Juventude e da Cumbia de los Pueblos Americanos. Na América Latina, a UNE está entre as principais participantes da OCLAE, a Organização Continental Latino Americana e Caribenha dos Estudantes, mantendo um representante brasileiro no secretariado geral da entidade em Cuba. O movimento estudantil brasileiro defende a integração do continente a partir das forças populares, do fortalecimento da democracia e da redução das desigualdades sociais, tornando a América Latina um novo modelo de desenvolvimento humano para todo o planeta.

Meio Ambiente

Esta geração de jovens é, sem dúvida, a mais envolvida com as questões do desenvolvimento sustentável, do uso consciente dos recursos naturais do planeta e das implicações sociais da degradação ambiental. No caso do Brasil, um país com grande oferta de energias limpas e biodiversidade muito acima da média mundial, os estudantes também se apropriam dessa temática entre os seus principais debates. A UNE lançou, em 2006, a campanha “A Amazônia é Nossa”, em defesa tanto do território nacional como de sua integridade ambiental, discutindo esse tema, desde então, em todos os seus encontros. O movimento estudantil participa ativamente do Projeto Rondom, que foi retomado pelo governo federal a pedido da UNE e promove a circulação de estudantes universitários e agentes sociais por regiões afastadas e pouco desenvolvidas do país, promovendo atividades de desenvolvimento social e preservação do meio ambiente.