HÁ 32 ANOS, UNE ELEGIA SUA PRIMEIRA MULHER PRESIDENTA

No fim da ditadura militar, Clara Araújo era eleita líder dos estudantes brasileiros

DE OLHO NO CAMPUS!

Confira a agenda da semana

MOVIMENTO ESTUDANTIL DA UNB RECLAMA SEU ESPAÇO

Reitoria está mudando salas dos CAs sem consentimento dos estudantes

CULTURA DENTRO DO BOLSO

Mostra de trabalhos da cartunista Laerte Coutinho é destaque da coluna em SP

PELO APROFUNDAMENTO DA NOSSA DEMOCRACIA! REFORMA POLÍTICA JÁ!

Plataforma eleitoral da UNE exige compromisso com um novo sistema político


Carteira Estudantil

Linha do Tempo

1808 – É criada a primeira universidade do Brasil, a Faculdade de Medicina da Bahia

1901 – Funda-se a Federação dos Estudantes Brasileiros

1910 – É realizado o I Congresso Nacional de Estudantes

1929 – É criada a Casa do Estudante do Brasil, visando à assistência social, promoção, difusão e intercâmbio de obras e atividades culturais

1934 – São criadas a Juventude Comunista, a Juventude Integralista, a União Democrática Estudantil, a Federação Vermelha dos Estudantes e a Frente Democrática da Mocidade

1937 – É criada a União Nacional dos Estudantes (UNE), dentro do I Congresso Nacional dos Estudantes

1938 – Durante o II Congresso da UNE, é eleito seu primeiro presidente oficial, o gaúcho Valdir Borges

1939 – O III Congresso da UNE elege presidente o paulista Trajano Pupo Neto e, entre outras medidas, cria a carteira única do estudante

1940 – O IV Congresso da UNE elege o estudante de direito Luís Pinheiro Pais Leme como presidente. É fundado o Teatro da UNE

1942 – A UNE promove grandes mobilizações, em diversos estados, contra o nazi-fascismo, e pelo posicionamento do Brasil contra Hitler, na II Guerra Mundial. Os estudantes ocupam o prédio do Clube Germânia, de simpatizantes da Alemanha, o presidente Vargas cede o local para ser a sede da UNE e decreta a entidade como órgão oficial de representação dos universitários brasileiros. O V Congresso da UNE elege o carioca Hélio de Almeida

1943 – O estudante Hélio Mota é eleito o quinto presidente da instituição.

1945 – O VI Congresso elege Ernesto da Silveira Bagdocimo

1946 – O IX Congresso leva o udenista José Bonifácio Coutinho Nogueira à presidência da UNE.

1947 – A UNE lança a campanha “O Petróleo é Nosso”, contra a exploração estrangeira das riquezas nacionais. O X Congresso da UNE elege Roberto Gusmão presidente: inicia-se o período de hegemonia socialista na entidade

1948 – Ocorre a primeira invasão do prédio da UNE pelo esquema policial do governo de Eurico Gaspar Dutra. No XI Congresso da entidade, é eleito Genival Barbosa Guimarães

1949 – É realizado, na Bahia, o XII Congresso da UNE. É eleito o socialista Rogê Ferreira

1950 – Após a renúncia de Rogê Ferreira, o vice José Frejat assume a presidência da entidade. No XIII Congresso da UNE, elege-se Olavo Jardim Campos presidente. Começa a fase de domínio da direita na UNE

1952 – A UNE realiza uma grande mobilização em defesa da criação da Petrobrás, o que viria a acontecer em 1953. O estudante Luis Carlos Goelver é eleito presidente da entidade

1953 – O paraibano João Pessoa de Albuquerque, estudante em Minas Gerais, é eleito presidente da UNE

1954 – É eleito presidente Augusto Cunha Neto

1955 – A UNE organiza o Mês da Reafirmação Democrática, alusivo ao 10o aniversário do assassinato do estudante Demócrito de Souza Filho. No Congresso, é eleito Carlos Veloso de Oliveira

1956 – Os estudantes socialistas recuperam a hegemonia na UNE. Jovens realizam campanha contra o aumento da passagem de bondes no Rio de Janeiro.Vários sindicatos operários se unem aos estudantes nessa luta. A polícia invade o prédio da UNE em repressão ao movimento. O XIX Congresso elege José Batista de Oliveira Júnior

1957 – Os estudantes iniciam campanha contra a American Can, empresa americana que ameaça a indústria brasileira de lataria. Marcos Heusi chega a presidência da UNE

1958 – A UNE promove uma campanha contra o Acordo de Roboré, preconizado por Roberto Campos, que atende aos interesses da multinacional Gulf, e pela abertura de CPI sobre a Shell e a Esso. O XXI Congresso elege o baiano Raimundo Eirado presidente da entidade

1959 – João Manuel Conrado chega à presidência da UNE

1960 – A UNE debate a reforma universitária no país (por ocasião da discussão do projeto da Lei de Diretrizes e Bases) e realiza, em Salvador, o Seminário Nacional de Reforma Universitária. É eleito presidente da entidade Oliveiros Guanais

1961 – É criado o Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE e a UNE Volante, caravana que percorreu diversos estados do Brasil. O XXIV Congresso da entidade elege Aldo Arantes. A sede da entidade é transferida, momentaneamente, para Porto Alegre, em defesa da campanha da legalidade, pela posse do presidente João Goulart

1962 – A ação dos estudantes pela reforma universitária leva à decretação de greve geral nacional, paralisando a maior parte das 40 universidades brasileiras da época. É eleito presidente da UNE Vinícius Caldeira Brant

1963 – José Serra chega à presidência da UNE

1964 – O presidente José Serra participa, como orador do famoso comício da Central do Brasil. Com a instalação da ditadura militar, a sede da UNE no Rio de Janeiro é metralhada e incendiada. Ocorrem invasões do regime em universidades do país e, por meio da lei Suplicy de Lacerda, a UNE e demais entidades estudantis é posta na ilegalidade

1965 – Greve de mais de 7 mil alunos paralisa a USP. O XXVII Congresso da UNE, em São Paulo, elege o paulista Antônio Xavier

1966 – Passeata em Belo Horizonte contra o regime militar é brutalmente reprimida. A violência desencadeia passeatas estudantis em outros estados. A polícia invade a Faculdade de Medicina da UFRJ e expulsa estudantes com violência. O episódio ficou conhecido como o Massacre da Praia Vermelha. Mesmo na ilegalidade, é realizado o XXVIII Congresso da UNE, no porão da Igreja de São Francisco de Assis, na capital mineira. José Luis Moreira Guedes é eleito presidente da entidade

1967 – É realizado o XXIX Congresso da UNE, em Valinhos (SP), mais uma vez na clandestinidade. Luís Travassos é eleito presidente

1968 – Revoluções sociais e culturais mobilizam jovens de todo o mundo. No Brasil, o estudante Édson Luis é morto durante uma manifestação. No dia seguinte, cerca de 50 mil pessoas participam do cortejo fúnebre, alguns meses depois a UNE realiza a Passeata dos Cem Mil no Rio de Janeiro. É realizado, clandestinamente, o XXX Congresso da UNE em Ibiuna (SP). Os militares invadem o encontro e prendem cerca de mil estudantes, entre eles, lideranças da UNE como José Dirceu, Franklin Martin e Vladimir Palmeira

1969 – A UNE tenta manter uma direção com a eleição de Jean Marc Von Der Weid através dos Congressinhos Regionais. No entanto, o presidente é preso pela ditadura. Aumenta a repressão com tortura e morte de estudantes

1971 – Honestino Guimarães, da Universidade de Brasília, é efetivado presidente da UNE, em micro-congresso

1972 – O presidente da UNE Honestino Guimarães desaparece. Nunca foi encontrado

1973 – O estudante Alexandre Vannucchi Leme, da Universidade de São Paulo (USP), é preso e morto pelos militares. A missa em sua memória, na Catedral da Sé, em São Paulo, é o primeiro grande movimento de massa desde 1968

1976 – Começam os debates visando a reconstrução da UNE

1979 – Com apoio do governo baiano, acontece em Salvador o Congresso de reconstrução da entidade. É eleito presidente o baiano Rui César Costa Silva

1980 – O presidente militar João Figueiredo manda demolir o prédio da UNE na Praia do Flamengo, que havia sido invadido e incendiado em 1964. Os estudantes protestam e são reprimidos, o prédio é demolido. Com a presença do então sindicalista Luís Inácio Lula da Silva, o comunista Aldo Rebelo é eleito presidente da UNE em Piracicaba (SP)

1981 – O XXXIII Congresso elege Javier Alfaya, nascido na Espanha. O ministério da Justiça tenta expulsar o estudante do país, desencadeando uma campanha nacional dos jovens chamada “Javier é brasileiro”

1982 – A primeira mulher presidente da UNE, Clara Araújo, é eleita

1983 – O governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, cede à UNE o casarão da Rua do Catete, 234, onde passa a funcionar a sede dos estudantes. Alcindo Paes Leme é eleito presidente da entidade

1984 – A UNE apóia a candidatura de Tancredo Neves à presidência da República e participa ativamente da campanha “Diretas Já”. O Congresso da entidade elege, como presidente, Renildo Calheiros

1986 – Gisela Mendonça é eleita presidente da UNE

1987 – O XXXVIII Congresso da UNE elege o paraense Valmir Santos

1988 – Os estudantes elegem Juliano Corbelini como presidente

1989 – O movimento estudantil faz campanha pelo voto e participação dos jovens nas primeiras eleições democráticas após a ditadura. A UNE apóia a campanha do sindicalista Luis Inácio Lula da Silva em sua primeira disputa presidencial com a campanha “Lula UNE o Brasil”. O Congresso da UNE elege Cláudio Langone presidente da entidade

1991 – Patrícia de Angelis é eleita presidente da UNE

1992 – O presidente da UNE eleito nesse ano é Lindberg Farias, que lidera a UNE contra o governo do presidente Fernando Collor, denunciando seu caráter neoliberal e privilégio aos grandes grupo econômicos. Após denúncias de corrupção envolvendo o presidente, os estudantes “cara pintadas”realizam uma maratona de grandes manifestações por todo o país, na campanha “Fora Collor”. O presidente renuncia para não sofrer processo de impeachment do Congresso Nacional.

1993 – A UNE realiza uma campanha nacional contra as altas mensalidades do ensino particular. Fernando Gusmão assume a presidência da entidade. A partir de 1993, as gestões da UNE passam a ter dois anos de duração

1994 – O presidente da república Itamar Franco assina um protocolo para a devolução definitiva do terreno da Praia do Flamengo aos estudantes. O ato da entrega é comemorado no restaurante Lamas, com participação dos jovens e do presidente tomando um chopp

1995 – O Congresso da UNE, em Brasília, elege Orlando Silva Júnior, o primeiro negro a ocupar o cargo na entidade. A UNE inicia uma grande campanha nacional contra o modelo de avaliação do governo federal para as universidades, o Provão.

1997 – Os estudantes se posicionam firmemente contra o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, pela privatização do patrimônio nacional, sucateamento das universidades públicas e nenhum diálogo com os movimentos sociais. É eleito presidente da UNE Ricardo Capelli

1999 – O presidente de Cuba, Fidel Castro, participa do Congresso da UNE em Belo Horizonte. Na ocasião, o mineiro Wadson Ribeiro é eleito presidente da entidade. Acontece, em Salvador, a primeira Bienal da UNE, recuperando a atuação cultural do movimento estudantil

2001 – É realizada a segunda Bienal da UNE, no Rio de Janeiro, também é lançado o Circuito Universitário de Cultura e Arte (CUCA).O Congresso da UNE elege o presidente Felipe Maia

2002 – A UNE realiza um plebiscito nas universidades e decide apoiar a candidatura do ex-metalúrgico e sindicalista Luís Inácio Lula da Silva à presidência, em sua quarta corrida presidencial, reeditando a campanha “Lula UNE o Brasil” de 1989

2003 – A terceira Bienal da UNE reúne milhares de estudantes em Recife, com a participação do músico e ministro da Cultura Gilberto Gil. No mesmo ano, em Goiânia, é eleito presidente da entidade o paulista Gustavo Petta

2004 – São realizadas duas caravanas da UNE por diversos estados do país e levando aos estudantes temas como a reforma universitária e a cultura. São elas a “Caravana UNE pelo Brasil” e a “Caravana Universitária de Cultural e Arte – Paschoal Carlos Magno”

2005 – É realizada a quarta Bienal da UNE, em São Paulo, junto com o XIV Congresso da Organização Continental Latino-americana e Caribenha dos Estudantes (OCLAE). No Congresso da UNE, novamente em Goiânia, Gustavo Petta torna-se o primeiro presidente reeleito da história UNE

2006 – Em um seminário no Museu da República, no Rio de Janeiro, é constituído o Instituto Circuito Universitário de Cultura e Arte da UNE

2007 – Após a sua quinta Bienal, no Rio de Janeiro, a UNE realiza uma grande passeata e ocupa o terreno de sua antiga sede, na Praia do Flamengo 132. O local estava ocupado por um estacionamento clandestino. A gaúcha Lúcia Stumpf é eleita presidente da UNE em Congresso da entidade na capital federal

2008 – A UNE realiza mais uma caravana nacional, desta vez passando por todos os 27 estados do país, pautando também temas como a saúde e qualidade de vida da população jovem brasileira

2009 – Salvador recebe a sexta Bienal da UNE. O Congresso da entidade, em Brasília, elege o paulista Augusto Chagas como presidente. Luis Inácio Lula da Silva, desta vez como presidente da República, participa pela segunda vez de um Congresso da UNE

2010 – A UNE não apóia nenhum candidato no primeiro turno das eleições presidenciais. No segundo turno, frente à ofensiva conservadora, a UNE apóia a ex-militante estudantil na época da ditadura, Dilma Rousseff. A candidata torna-se a primeira mulher eleita presidente do Brasil

2011 – A sétima Bienal da UNE retorna ao Rio de Janeiro, mobilizando milhares de estudantes de todos os estados